Bolsa lança novos produtos para investidores experientes

Mais complexas, as novidades são produtos derivativos: contratos no qual, diferentemente do mercado à vista, se estabelecem pagamentos futuros, cujos preços estão relacionados a ativos como ações, moedas ou índices

Estadão Conteúdo
10/Dez/2018
  • btn-whatsapp

A B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, lança nesta segunda-feira (10/12), cinco novos produtos no mercado, ampliando a gama de operações disponíveis a investidores de varejo e institucionais.

As novidades são: mini opções de dólar, futuros de moedas negociadas em dólares dos Estados Unidos, contrato de opções sobre futuros de DI, contratos futuros de ações e units e microcontrato futuro de S&P 500, um dos maiores índices do mercado acionário dos EUA.

Os produtos são a "primeira leva" de um conjunto de lançamentos que a B3 colocará no mercado até o final de 2019.

Mais complexas, as cinco novidades são produtos derivativos: contratos no qual, diferentemente do mercado à vista, se estabelecem pagamentos futuros, cujos preços estão relacionados a ativos como ações, moedas ou índices.

Eles surgiram diante da necessidade de negociação antecipada de mercadorias, por exemplo, reduzindo a incerteza quanto à variação de preço. Por isso, apesar de os produtos estarem disponíveis a todos os tipos de investidor, dada a sua complexidade, são mais direcionados a investidores institucionais (como fundos) ou investidores pessoa física mais experientes - como traders, que operam com frequência -, já que exigem conhecimento do mercado financeiro.

"São produtos para um investidor mais profissional, pois o investidor comum ainda está num estágio muito preliminar", diz Michael Viriato, coordenador do laboratório de finanças do Insper.

"Tem gente que só agora saiu da poupança e foi para a renda fixa; e quem saiu da renda fixa ainda está se familiarizando com produtos como fundos imobiliários e ETFs."

De acordo com o superintendente de Equities da B3, Marcos Skistymas, um dos destaques são os contratos de futuros de moedas negociados em dólar. Atualmente, das 12 moedas que a B3 oferece, todas têm apenas paridade contra o real.

"Hoje, se um investidor quiser operar uma moeda contra o dólar - o que tem sido a preferência -, precisa fazer dois contratos: primeiro, da moeda em questão para o real; e depois do real para o dólar", diz. "Assim, um dos efeitos será a redução de custos."

Além das 12 moedas que a B3 já oferece, foram incluídas coroa norueguesa, rublo russo e coroa sueca.

Outro produto será a opção mini de dólar. Opções são contratos em que se negociam direitos de compra ou venda de determinado ativo. Ou seja: o investidor não compra/vende uma ação ou moeda no mercado futuro, mas negocia o direito de, se quiser e considerar vantajoso, comprar/vender, sem precisar necessariamente fazê-lo.

Segundo Skistymas, esse novo produto, de tamanho reduzido, tem ainda como objetivo trazer de volta liquidez que migrou ao longo dos últimos anos para o mercado offshore.

De acordo com o superintendente da B3, hoje o mercado responde por 25% do registrado em 2008. Com o mini de dólar, a ideia ainda é aumentar o leque de investidores, trazendo a pessoa física. Isso porque o contrato fica mais acessível: hoje, a opção de dólar tem valor mínimo de US$ 50 mil.

Já na opção de mini dólar, cada contrato custará US$ 10 mil.

"Além disso, teremos vencimentos semanais em vez de apenas mensais."

Com o minicontrato futuro de S&P, um dos objetivos foi de complementar o portfólio da casa. A Bolsa já possui o contrato futuro do S&P, feito em parceria com o CME Group.

Charles Farra, diretor executivo de Desenvolvimento de Mercado Internacional da CME, com foco em América Latina, destaca que esse lançamento dará acesso a uma maior gama de investidores, já que a variação de cada ponto do índice será de US$ 2,50.

"Nossa parceria tem dez anos e esperamos por muitos mais anos de sucesso".

Já o lançamento do futuro de ações - que consiste em apostar na expectativa futura do valor de uma ação - visa a atender uma demanda do mercado diante do crescimento observado em importantes mercados globais.

Dentre as utilizações desse novo produto está a possibilidade de realização de hedge - proteção contra a variação de preços. Inicialmente, serão 12 ações: Petrobrás, Vale, Porto Seguro, Kroton, CCR, Cielo, Usiminas, Via Varejo, Cemig, Hypera, Grupo Pão de Açúcar e B3. 

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas