Às vésperas da eleição, dólar cai para R$ 3,85

Moeda teve a maior queda semanal desde março de 2016 influenciada por crescimento de Jair Bolsonaro na pesquisa do Datafolha, divulgada na noite de quinta-feira (04/10)

Estadão Conteúdo
05/Out/2018
  • btn-whatsapp
Às vésperas da eleição, dólar cai para R$ 3,85

No último pregão antes do primeiro turno das eleições, o dólar teve nesta sexta-feira, 5, novo dia de queda e acumulou desvalorização de 4,81% na semana, a maior baixa semanal desde a primeira semana de março de 2016, quando caiu 5,82%.

O crescimento de Jair Bolsonaro (PSL) nas pesquisas de intenção de voto animou os investidores e fez o câmbio no Brasil descolar na semana da maioria de outras moedas emergentes, que acabaram perdendo valor para a divisa americana nos últimos dias.

O dólar subiu 4,47% na África do Sul, 0,85% no México e 0,90% na Turquia Nesta sexta-feira, o dólar à vista terminou o dia cotado em R$ 3,8560 (-0,70%).

Operadores ressaltam que logo na abertura do mercado nesta sexta-feira havia uma "fila de venda" de dólar na B3, com investidores desmontando posições. O fator que estimulou a venda das moedas foi o crescimento de Bolsonaro na pesquisa do Datafolha, divulgada na noite de quinta-feira para 35% das intenções de voto.

Logo após a abertura, o dólar bateu a mínima do dia, de R$ 3,8411, com queda de 1,08%. Em seguida, a própria queda da moeda para este nível atraiu compradores, principalmente importadores e tesourarias de bancos, provocando alta pontual da moeda, que subia também influenciada pelo fortalecimento do dólar no exterior após a divulgação dos dados mensais de emprego dos Estados Unidos, que vieram mistos. Na máxima, o dólar chegou a R$ 3,8952 (+0,31%).

"Os eleitores vão para as urnas no domingo para uma eleição crucial, que pode ter implicações significativas para a direção da política econômica do país", afirma o economista-chefe do Goldman Sachs para a América Latina, Alberto Ramos.

Entre as surpresas que podem ocorrer no domingo, ele destaca a vitória de Bolsonaro já no primeiro turno, considerando que ele vem crescendo nas pesquisas. Outra surpresa seria Haddad aparecer mais fraco, com menos de 20% das intenções de voto ou ainda a votação de Ciro Gomes (PDT) ser maior do que as sondagens vêm apontando.

As cotações do câmbio no Brasil, segundo o modelo do grupo financeiro Nomura, apontam que após o recente rali do mercado o real já está precificando em 85% a probabilidade de um candidato pró-mercado, leia-se Bolsonaro, vencer as eleições, ante 70% na semana passada e 60% na anterior.

"O momento parece estar do lado de Bolsonaro e esse efeito positivo afeta a probabilidade de vitória no primeiro turno", afirma relatório enviado a clientes nesta sexta-feira.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas