Brasil

Manifesto pede compromisso radical com a democracia


Carta encabeçada por FHC é lançada em momento delicado para a campanha de Alckmin, que na mais recente pesquisa Datafolha aparece com 9% das intenções de voto


  Por Estadão Conteúdo 03 de Outubro de 2018 às 07:45

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A cinco dias do primeiro turno das eleições, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso encabeça um manifesto em defesa da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) que será lançado nesta quarta-feira (3/10) e reúne 91 assinaturas. 

Além de FHC, entre os signatários estão o economista Samuel Pessoa, o cientista político Rubens Figueiredo, o cineastas João Batista de Andrade, o administrador Guilherme Setúbal e o educador Cláudio Moura e Castro. Os organizadores são Rubens Figueiredo, Antonio Lanzana, Gustavo Dedivitis, José Álvaro Moisés e Roberto Macedo. 

O texto diz que o Brasil precisa de um "compromisso radical com a democracia" e defende a realização de reformas.
 
A iniciativa ocorre em um momento delicado para a campanha de Alckmin, que na mais recente pesquisa Ibope/Estado/TV Globo apareceu com 8% das intenções de voto. Segundo levantamento do Datafolha divulgado nesta terça-feira (2/10), o tucano oscilou para baixo - de 10% para 9%.

LEIA MAIS: Haddad x Bolsonaro: e agora, Brasil?

A iniciativa do manifesto ocorreu depois que fracassou a última tentativa de evitar a fragmentação dos partidos do "centro" na eleição presidencial. Em maio, lideranças de PSDB, DEM, MDB e PTB uniram esforços para articular um palanque único na disputa, em um movimento que teve a chancela do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
 
A proposta, no entanto, não foi adiante porque nenhum dos candidatos se dispôs a abrir mão da própria candidatura. 

Em setembro, a consolidação da liderança de Jair Bolsonaro (PSL) e o crescimento de Fernando Haddad (PT) nas pesquisas levou o PSDB a fazer um apelo a Fernando Henrique para que ele articulasse a retomada do movimento Polo Democrático, que tentava atrair os candidatos do centro ao palanque tucano para evitar a polarização.
 
A iniciativa, porém, esbarrou no ceticismo de aliados e novamente resistência dos candidatos em abrir mão da disputa. 

Após o fracasso da segunda tentativa, a campanha de Alckmin partiu para uma estratégia agressiva de usar os comerciais do horário eleitoral para buscar diretamente o eleitor de Marina Silva (Rede), Henrique Meirelles (MDB) e João Amoedo (Novo) com o argumento do voto útil. 

A cartada final da campanha tucana foi apelar para o "medo" da volta do PT e pregar que votar em Bolsonaro significaria carimbar o passaporte para a volta do partido de Lula ao poder.
 
"Você vê que o PT poupa o Bolsonaro, porque tudo o que o PT quer é ter o candidato de maior rejeição no segundo turno", afirmou o ex-governador em declarações. A campanha também reforçou o tom antipetista. 
 
FOTO: Agência Brasil