As metrópoles que se reinventam

Em muitos países, grandes cidades aprenderam desenvolver um ambiente de negócios favorável para que o talento se transformasse em fama e prosperidade

Inês Godinho
29/Out/2014
  • btn-whatsapp
As metrópoles que se reinventam

Parece estranho pensar que o Estado, com suas estruturas rígidas e lentas, tenha um papel essencial na consolidação do mercado ancorado na criatividade, que depende do pensamento livre e até caótico. Entretanto, em todas as experiências bem-sucedidas, os governos tiveram uma participação estratégica. Em princípio, aproveitaram o que já tinham de potencial, como as cidades que atraem e concentram pessoas talentosas. Para elas, foi cunhado o termo cidades criativas. “São lugares para trabalhar, morar e se divertir, onde as coisas acontecem e se transformam com incrível dinamismo”, define Ana Carla Fonseca, autora do livro eletrônico Creative City Perspectives, com autores de 13 países. Porém, isso não é suficiente para explicar o sucesso delas – para transformar talento criativo em resultados precisa ter estratégia. É aí que entra o apoio oficial.

Cabe aos governantes proporcionar um ambiente de negócios favorável ao novo modelo, o que inclui um marco legal, políticas públicas, acesso a crédito e capacitação. Veja nesses exemplos como os governos podem dar uma força:

* Berço do conceito, com a Austrália, a Inglaterra criou um órgão específico na estrutura estatal e apostou em setores relacionados à criatividade e inovação para revitalizar a economia nacional. “O plano do governo britânico não era simplesmente valorizar a produção cultural”, esclarece Georgia Nicolau, da Secretaria de Economia Criativa. “O país se preparou para o fim da economia tradicional, unindo criação e produção com ênfase na exploração da propriedade intelectual.” Principal polo do projeto, Londres superou a fase de decadência em que havia mergulhado nos anos 90. A indústria criativa se tornou o segundo setor da economia e um dos maiores empregadores da capital inglesa e fez triplicar o número de turistas com eventos de moda, design, cinema, teatro, música e esporte, como a Olimpíada de 2012.


A economia criativa tornou possível a reinvenção de Londres
Foto: Reprodução

* O caminho já havia sido trilhado anos antes pela Itália. Para superar a estagnação crônica, o governo melhorou o ambiente de negócios para os microempresários e direcionou investimentos e crédito para setores de longa tradição. As empresas italianas colocaram o país em primeiro plano e hoje lucram em áreas como design, moda, música, cinema, teatro e gastronomia.


Feira de Milão: o inconfundível design italiano de móveis colocou a indústria no topo do mercado de luxo
Foto: Reprodução

* O Japão decidiu fortalecer o setor de produção e distribuição de conteúdo, que inclui os videogames, e apoiou a criação de uma associação de produtores de conteúdos digitais.

* Nos Estados Unidos, líder mundial no uso econômico da criatividade, São Francisco está no topo da lista das cidades mais criativas, conhecida pela diversidade, valorização da cultura e busca da inovação. As questões relacionadas à atividade estão representadas em toda a estrutura de administração municipal. Na crise econômica de 2008, a prefeitura poupou dos cortes drásticos os investimentos em artes. E foram os artistas que mantiveram a imagem da cidade e minimizaram os prejuízos da estrutura de turismo e hospitalidade, carro-chefe da economia local.


A valorização da cultura, inovação e diversidade colocou São Francisco no topo da lista das cidades mais criativas do mundo
Foto: Thinkstock

* Na Argentina, Buenos Aires escolheu a área de design como vocação estratégica e hoje é conhecida no mundo como uma das capitais da atividade.


O shopping Buenos Aires Design simboliza a dedicação de Buenos Aires ao desenvolvimento do design
Foto: Reprodução

* Na Espanha, Barcelona fortaleceu sua tradicional vocação para a cultura e arte depois de atrair a Olimpíada de 1992 e usar os fartos investimentos recebidos para melhorar a infraestrutura.


Foto: Thinkstock

 

Leia mais:

1 - Economia criativa: muito além da imaginação 

2 - O efeito dominó da crriatividade 

4 - Mapa da criatividade no Brasil  

5 - Crescimento acima da média nacional 

6 - A produção brasileira dá audiência à TV paga  

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas