Agora todos querem tributar dividendos

Passou a ser frequente entre os discursos de presidenciáveis pregar a aplicação de uma alíquota sobre o lucro distribuído entre os acionistas de uma empresa. Mas isso seria bom para o país?

Renato Carbonari Ibelli
14/Ago/2018
  • btn-whatsapp
Agora todos querem tributar dividendos

A tributação sobre dividendos passou a fazer parte do discurso dos mais antagônicos candidatos à sucessão presidencial. A medida seria uma forma de atacar a perda de receita do governo e, ao mesmo tempo, fazer justiça social, uma vez que permitiria redistribuir a renda dos mais ricos.

Ciro Gomes, candidato pelo PDT, e Geraldo Alckmin (PSDB) são dois dos presidenciáveis que levantaram essa bandeira. O fato é que o tema é complexo e, longe da retórica eleitoral, não há unanimidade entre os especialistas.

Para entender o tema: o mercado trabalha com uma previsão de déficit primário de R$ 150 bilhões para este ano. Ou seja, esse será o valor gasto pelo governo em 2018 que excede a arrecadação.

Esse déficit vai exigir que o próximo presidente use de diferentes artifícios para tentar equilibrar as contas públicas. Ampliar as receitas é uma das alternativas. Um caminho seria aumentar a arrecadação aplicando uma alíquota sobre os dividendos, que são parte do lucro das empresas que é dividida entre os seus sócios.

Hoje esse capital distribuído entre os acionistas, que anualmente soma mais de R$ 300 bilhões, é isento.

Aparentemente a proposta tem coerência, mas Everardo Maciel, ex-secretário da Receita Federal, lembra que na outra ponta existe o contribuinte afetado pela medida, que não é impassível. Ele irá reagir.

PARA EVERARDO MACIEL, OS DEBATES SOBRE TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS
SÃO CARREGADOS DE DEMAGOGIA

Caso a ideia de tributar dividendos prospere, Everardo acredita que o efeito será oposto: em vez de ganhar, o governo perderá arrecadação. Segundo ele, é provável que o contribuinte transfira investimentos para o exterior e intensifique o chamado planejamento tributário, encontrando brechas para evitar a tributação.

Além disso, o ex-secretário da Receita espera que empresas familiares tenderão a fechar capital para evitar auditorias independentes e questionamentos da CVM.

“Os discursos que entram na tributação de dividendos são carregados de ressentimentos e demagogias tributárias”, disse Everardo em encontro do Conselho de Altos Estudos em Finanças e Tributação (Caeft), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que aconteceu nesta segunda-feira (13/8).

Convém observar que o Brasil está entre os poucos países que não tributam dividendos. Mas, como lembrou o tributarista Isaias Coelho, também durante o encontro do Caeft, “o modelo brasileiro é mais eficiente do que parece.”

Para ele, essa isenção é apenas aparente. “As empresas não ficam ricas, quem enriquece são as pessoas. Quem critica o modelo brasileiro não percebe que quando se tributa uma empresa, na realidade se está tributando seus acionistas”, diz Coelho.

Em outras palavras, a carga tributária brasileira, que equivale a 34% do Produto Interno Bruto (PIB), compensaria a falta de uma alíquota específica sobre os dividendos.

ISAIAS COELHO: "AS EMPRESAS NÃO FICAM RICAS, QUEM
ENRIQUECE SÃO AS PESSOAS"

Na visão do tributarista, entre as qualidades do modelo adotado pelo Brasil estão a menor complexidade do regime de integração do Imposto de Renda pessoa física e jurídica e a possibilidade de se antecipar receita tributária, uma vez que o lucro é tributado na “cabeça”, ou seja, quando é formado.

Por outro lado, o economista Bernard Appy vê problemas nesse modelo, que resultariam em queda na arrecadação. “Muitas empresas do Lucro Real usam planejamento tributário com o objetivo de pagar zero de Imposto de Renda. Como há isenção para os dividendos, a arrecadação perde porque não foi tributado nem a empresa nem os acionistas”, afirma Appy.

Para o economista, parte significativa dos lucros distribuídos no Brasil são originados de empresas do Lucro Presumido e do Simples Nacional. Nesses casos, o lucro é arbitrado tendo como parâmetro um percentual da receita. O problema é que, em alguns casos, o lucro arbitrado é menor do que a rentabilidade da empresa, o que resultaria em uma subtributação.

Não há unanimidade sobre o assunto, que ganhou um elemento a mais para ser analisado, sob a luz da recente reforma tributária realizada nos Estados Unidos pelo governo Trump.

Por lá, a taxa do Imposto de Renda Pessoa Jurídica foi reduzida de 35% para 21%. Por outro lado, as controladoras instaladas em outros países tiveram aumento de tributação. Com isso, a tendência é que cada vez mais o fluxo de investimentos retorne aos Estados Unidos.

No primeiro semestre de 2018 -com a reforma tributária de Trump a pleno vapor -, a participação das empresas dos Estados Unidos no total dos investimentos diretos realizados no Brasil caiu de 15,7% (em 2017) para 6,6%.    

As incertezas causadas pelas eleições brasileiras têm peso nesse recuo, como lembrou Everardo Maciel. Ainda assim, segundo os especialistas que estiveram no encontro do Caeft, nessa nova realidade da economia global, a tributação sobre dividendos precisa ser estudada com cuidado. O limite entre recuperar arrecadação e afugentar o capital é tênue.

 

IMAGENS: Thinkstock e DC

 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas