Agora é Temer. Senado derruba Dilma por 61 votos a 20

Impeachment da ex-presidente deixou aberta uma brecha para que ela seja nomeada a cargos públicos com foro especial. Temer assumiu como presidente efetivo às 16h desta quarta-feira (31/8)

João Batista Natali
31/Ago/2016
  • btn-whatsapp
Agora é Temer. Senado derruba Dilma por 61 votos a 20

Por 61 votos a favor e 20 contra, o Senado aprovou na tarde desta quarta-feira (31/8) o impeachment de Dilma Vana Rousseff. Com isso, Michel Temer deixou de ser interino e se tornou presidente da República, com posse no Congresso às 16h, antes de embarcar para a China, no início da noite, em sua  primeira viagem oficial.

A votação do impeachment ocorreu às 13h32, no quinto dia de sessões em que os senadores cumpriram o papel de juízes, e a ex-presidente, a de ré.

Mas a derrota de Dilma não foi completa. A pedido do senador Humberto Costa (PT-PE), o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, que presidiu os trabalhos, determinou a votação em separado de um dispositivo pelo qual a ex-presidente ficaria “inabilitada” a cargos públicos.

Por mais que a inabilitação tenha recebido o apoio de 42 senadores, eles não somaram os 54 votos necessários. Com isso, mesmo sem poder se candidatar a cargos eletivos –o impeachment a tornou ficha suja – Dilma poderá se tornar, por exemplo, titular de alguma secretaria de algum governo petista, como Minas Gerais ou Bahia.

Dessa forma, ela manteria no plano estadual o foro privilegiado e escaparia de processos em primeira instância. Leia-se: estará fora do alcance da Lava Jato.

A manobra foi apoiada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) que, embora votasse a favor do impeachment, declarou voto pela não inabilitação. Renan foi seguido por parte da bancada do PMDB, que é o mesmo partido de Temer.

Assim, por mais que as coisas possam mudar, na tarde desta quarta se esboçava de um lado o PMDB aliado do Planalto e, de outro, o PMDB com autonomia política dentro do Congresso, e que é justamente aquele que seria fundamental para aprovar questões delicadas para o equilíbrio fiscal (dívidas dos Estados ou Previdência).

Temer, por sua vez, procura construir para esse novo período como chefe de Executivo uma imagem conciliadora. “Quero deixar o Estado pacificado, sem a divisão que encontrei”, disse em entrevista a Miriam Leitão, da rede CBN e do jornal O Globo.

Disse também, à Globonews, que acredita na “pacificação” do país com a conclusão do processo de impeachment.

O problema é que o outro lado – o Partido dos Trabalhadores e seus aliados –  comporta-se de maneira oposta, conforme ficou claramente explícito nos últimos encaminhamentos que precederam a votação do Senado.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), por exemplo, em breve discurso de cinco minutos, gritou cinco vezes a palavra “canalha” ao se referir aos que apoiavam o afastamento de Dilma Rousseff.

Em resposta, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) qualificou sete vezes de “canalhas” aqueles que haviam provocado o desemprego, quebrado a Petrobrás e se enriquecido com a corrupção.

Há também a tese do suposto “golpe”, que a própria Dilma mencionou em abundância durante as 14 horas em que, na segunda-feira (29/8), respondeu às interpelações dos senadores.

Essa narrativa, que ignora a constitucionalidade dos procedimentos do impeachment e o papel do STF em fixar todos os ritos, acaba virando um combustível ideológico para os poucos ativistas que desde segunda bloqueiam o trânsito de vias importantes em São Paulo e em cinco outras capitais.

Indagado como reagiria à acusação de que liderou um “golpe”, a resposta de Temer a Miriam Leitão foi a seguinte:

“Responderei que o Brasil está pacificado juridicamente. Não há discussão jurídica. O Brasil passou por um período difícil de disputas políticas, mas a Constituição foi cumprida. No afastamento da presidente, assumiu o vice-presidente porque, afinal, é este o seu papel. Não há uma crise institucional, e todo o processo, todo o rito, foi ditado pelo Supremo.”

Em outro plano, essa cordialidade não é suficiente para capacitar o presidente da República a um outro tipo de embate que o aguarda. Trata-se das pressões da sociedade na direção de diretrizes econômicas que tirem o país da recessão.

A começar do ajuste fiscal, que é a questão básica sobre a qual o mercado deve reagir, sem mais levar em conta os riscos de volta de Dilma ao Planalto. Sem o ajuste, os juros não caem, e os próprios auxiliares de Temer, segundo a Folha de S. Paulo, disseram nesta quarta que a queda só começará em 2017.

O fato é que o mercado, no início da tarde desta terça, preocupou-se com a possibilidade de Dilma se beneficiar de uma espécie de punição pela metade, na medida em que o exercício de cargos públicos a colocaria fora do alcance do juiz Sérgio Moro.

O índice Bovespa, por exemplo, que abriu em alta às 10h e chegou a registrar 58.781 pontos, caia para 57.752 por volta das 13h50. O dólar, por sua vez, se valorizou de R$ 3,23 para R$ 3,25.

Uma última questão está agora nos prognósticos sobre o futuro do PT, com um teste concreto já bem próximo e que é o primeiro turno de 2 de outubro das eleições municipais.

Os institutos Datafolha e Ibope transmitem para o partido uma péssima notícia. Em São Paulo, ele está em quarto lugar; em Belo Horizonte, em oitavo; em Belém, em quinto; em Boa Vista, em sexto; e no Rio de Janeiro, em quarto (a candidata é Jandira Feghali, do aliado PC do B).

O resumo de toda essa história, no entanto, é que o impeachment tirou um imenso peso dos ombros do país. Mas há ainda males persistentes. A votação no Senado foi precedida do anúncio de uma nova queda do PIB e do aumento do desemprego.

FOTO: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas