Temer sugere troca de PEC dos precatórios por crédito extraordinário

O ex-presidente disse, durante evento do Sescon-SP, que situação do país ainda é de miserabilidade, o que abriria espaço para uso desses recursos extraordinários

Renato Carbonari Ibelli
05/Nov/2021
  • btn-whatsapp
Temer sugere troca de PEC dos precatórios por crédito extraordinário

O ex-presidente Michel Temer considera um absurdo o Congresso se empenhar em alterar a forma de cálculo do teto de gastos. Segundo ele, em cujo governo esse lastro para despesas públicas foi criado, o afrouxamento do teto pode minar a credibilidade externa do país.

“Esse é um momento em que precisamos transmitir credibilidade para os investidores internacionais, porque o poder público está sem verbas para realizar grandes obras”, disse Temer durante palestra no 2º Summit do Sescon-SP (Sindicato das empresas de serviços contábeis), que aconteceu na última quinta-feira (4).

Segundo o ex-presidente, o teto de gastos impede medidas populistas, mas prevê uma válvula de escape, que são os chamados créditos extraordinários. Esse recurso foi bastante utilizado durante a fase crítica da pandemia, permitindo a liberação de verbas adicionais às despesas autorizadas.

Para Temer, como o cenário atual ainda é de calamidade, esses créditos extraordinários poderiam continuar a ser utilizados. “Não é preciso alterar o teto ou tirar dos precatórios, que é uma violação do direito”, disse o ex-presidente. “Usar o crédito extraordinário mantém a tese da credibilidade fiscal e ajuda na questão da miserabilidade existente no país.”

PARA ENTENDER

O governo federal busca recursos para bancar o novo Bolsa Família, que foi chamado de Auxílio Brasil. Um dos caminhos para abrir um espaço fiscal foi o envio ao Congresso da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos Precatórios, aprovada em primeira votação na quarta-feira (3).

A PEC prevê uma folga no Orçamento de R$ 91,6 bilhões. Desse total, R$ 44,6 bilhões viriam da postergação do pagamento de precatórios, que são títulos expedidos pelo Poder Judiciário reconhecendo uma dívida do governo federal após uma condenação definitiva.

Outros R$ 47 bilhões seriam gerados por alterações na forma do cálculo do teto de gastos. As regras do teto, criadas em 2016 e válidas por 20 anos, permitem que o governo amplie os gastos do Orçamento com base no resultado do IPCA acumulado em 12 meses até junho do ano anterior.

A ideia do governo é adotar a correção de inflação de janeiro a dezembro. Nesse momento, essa parametrização abriria mais espaço para gastos.

 

IMAGEM: Reprodução

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas