Economia

Brasil recebe mais investimento, mas cai uma posição


O País terminou 2017 em sétimo lugar, com US$ 60 bilhões, um degrau abaixo da de 2016 em ranking mundial


  Por Estadão Conteúdo 23 de Janeiro de 2018 às 09:30

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O Brasil registrou em 2017 aumento de 4% na entrada de investimentos externos. Ainda assim, perdeu uma posição no ranking dos principais destinos de apostas de empresas de todo o mundo.

Os dados fazem parte de um informe publicado nesta segunda-feira, 22, pela Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), às vésperas do encontro do Fórum Econômico Mundial, em Davos, em que o presidente Michel Temer tentará convencer executivos de que "o Brasil voltou".

O País terminou o ano em sétimo lugar, com US$ 60 bilhões, uma posição abaixo da de 2016. Há dois anos, porém, o País recebeu US$ 58 bilhões.

Em 2015, o Brasil havia sido destino de US$ 65 bilhões em investimentos. No ano passado, a liderança continuou com os EUA, com entrada de capital estrangeiro de US$ 311 bilhões.

A China veio em segundo lugar, com US$ 144 bilhões, seguido por US$ 85 bilhões em Hong Kong. A lista dos principais destinos mostra a Holanda em quarto lugar, com US$ 68 bilhões, Irlanda com US$ 66 bilhões e Austrália com pouco mais de US$ 60 bilhões. No geral, a Ásia voltou a ser o maior destino de investimentos.

O aumento do fluxo para o Brasil marca uma retomada que, segundo a ONU, pode se intensificar em 2018. A entidade aposta em recuperação maior dos investimentos, atraídos por um mercado doméstico fortalecido diante de uma recuperação econômica.

"Pode haver algum sinal positivo de recuperação de investimentos, por conta do crescimento que começa a ser retomado no Brasil. Isso pode atrair investimentos a uma economia de tamanho substancial", afirmou James Zhan, diretor do Departamento de Investimentos da Unctad.

A avaliação da entidade é que a recuperação do mercado anulará em parte as incertezas políticas em ano eleitoral. Em 2017, o desempenho nacional foi garantido pelos investimentos chineses. Das dez maiores aquisições feitas por empresas estrangeiras no País, nove foram realizadas por empresas chinesas.

O resultado permitiu que a América Latina registrasse seu primeiro ano de alta nos investimentos desde 2012, com aumento de 3% e total de US$ 144 bilhões - volumes ainda 25% abaixo de seu pico.

GLOBAL

A alta do Brasil e dos emergentes, com aumento de 2%, não se repetiu em outras regiões do mundo, principalmente entre as economias ricas, que tiveram contração de 27% nos investimentos.

A queda global foi de 17%. Nos EUA, a redução de foi de 32% e de 90% no Reino Unidos. No total, os investimentos chegaram a US 1,58 trilhão, ante US$ 1,81 trilhão em 2016.

Para 2018, a esperança da ONU é de que haja recuperação moderada do fluxo de investimentos. Mas, segundo Zhan, os riscos são "abundantes".

Entre eles, instabilidades geopolíticas e o impacto de uma política protecionista. Isso, para a ONU, seria traduzido em ações restritivas que poderiam ter consequências para os investimentos.