Brasil

Estado de São Paulo volta para a fase amarela


A flexibilização dura até dia 31, a partir de quando todos os municípios entram novamente na fase vermelha, de maiores restrições, e devem permanecer nela até dia 3 de janeiro


  Por Estadão Conteúdo 28 de Dezembro de 2020 às 17:52

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A maior parte do estado de São Paulo voltou nesta segunda-feira (28/12) para a fase amarela do plano de flexibilização da quarentena do governo paulista. Já os 45 municípios da região de Presidente Prudente permanecerão na fase vermelha, a mais restritiva, até, pelo menos, o próximo dia 7 de janeiro, quando haverá nova avaliação.

Todo o estado de São Paulo ficou, temporariamente, na fase vermelha nos últimos dias 25, 26, e 27, e voltará à fase mais restritiva nos dias 1º, 2 e 3 de janeiro.

Na fase vermelha, o atendimento presencial fica proibido em shoppings, lojas, concessionárias, escritórios, bares, restaurantes, academias, salões de beleza e estabelecimentos de eventos culturais. Bares e restaurantes só podem funcionar como delivery.

Farmácias, mercados, padarias, postos de combustíveis, lavanderias e serviços de hotelaria estão liberados.

Dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde mostram o aumento dos casos e mortes por coronavírus. Balanço divulgado no domingo (27) mostra que o número de novos casos de covid-19 registrados nos últimos 31 dias superou em 52% o total de confirmados nos 100 primeiros dias da pandemia.

CIDADES REBELDES

A Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) notificou 19 cidades que não aderiram às recomendações do Centro de Contingência da Covid-19 para restringir as atividades comerciais e permaneceram na fase amarela dos dias 25 a 27 de dezembro.

De acordo com Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional, uma cópia dessas notificações foi enviada ao Ministério Público para tomar as medidas cabíveis.

"Fazemos esse procedimento há mais de oito meses no enfrentamento da pandemia", afirma.

Os municípios notificados são: - Grande São Paulo: Mogi das Cruzes e Cotia; - Interior: Bauru, Olímpia, Catanduva, Socorro e Franca; - Litoral Norte: São Sebastião, Caraguatatuba e Ubatuba; - Baixada Santista: Bertioga, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Vicente.

Os prefeitos da Baixada Santista se comprometeram em proibir o acesso às praias apenas nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro. "Vamos ter as barreiras sanitárias e os bloqueios sob a responsabilidade do Estado. A população precisa estar consciente", explicou Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), prefeito de Santos.

De acordo com Vinholi, 2.300 agentes do Estado farão o reforço da fiscalização no litoral paulista durante as festas de fim de ano. "As medidas são municipais, mas o Governo do Estado irá apoiar, assim como temos feito com as barreiras sanitárias."

 

IMAGEM: Rovena Rosa/Agência Brasil






Publicidade





Publicidade







Publicidade