Transporte de contêineres e internacionalização de empresas

A Associação Comercial de São Paulo debate as tendências de custos e competitividade no transporte de contêineres em workshop que será realizado dia 16/05

Comércio Exterior
14/Mai/2018
  • btn-whatsapp
Transporte de contêineres e internacionalização de empresas

*Por José Cândido Senna, Coordenador Geral do Projeto Exporta, São Paulo, promovido pela Facesp e SP-Chamber/ACSP.

 

As profundas transformações no transporte marítimo internacional de contêineres, em especial as relacionadas à reorganização da oferta de serviços, estão provocando mudanças na gestão da logística de exportações e importações, abrindo espaço para a consolidação de processos de internacionalização de empresas exportadoras por meio de subsidiárias de distribuição e comercialização a partir do fortalecimento de vendas nas modalidades Delivered (At Terminal, At Place e Duty Paid).

Tal cenário fundamenta-se nos resultados da análise da intensa busca por economias de escala de embarcações porta-contêineres, responsáveis pela quase totalidade do transporte de produtos industrializados e de café, bem como de outros com origem agrícola, como açúcar e soja.

Na navegação de longo curso (entre portos de diferentes países), de acordo com levantamentos da Solve Shipping Intelligence e matéria veiculada na edição de 8 de maio último em Portos e Navios, os dados mensais de dezembro de 2010 e maio de 2018 mostram que a capacidade nominal dos maiores navios que atracaram em portos brasileiros evoluiu de 5.905 para 11.037 TEUs (Twenty Feet Equivalent Units), enquanto a quantidade de serviços (joint services) diminuiu de 35 para 18 e a de armadores, de 27 para 16.

O principal aspecto da reorganização da oferta desses serviços é a expressiva queda da quantidade de escalas nos portos. Em Santos, considerando-se os movimentos anuais acumulados em 2010 e 2017, as atracações de porta-contêineres caíram de 2.908 para 1.912, enquanto o total de contêineres cheios em ambos os sentidos evoluiu de 1,9 milhão para 2,5 milhões de TEUs.

Com base nesse comportamento conclui-se que as consignações médias cresceram cerca de 97%, passando de 651 para 1.283 TEUs por atracação.

O maior intervalo entre uma atracação e a seguinte implica na elevação de estoques em trânsito, com maiores lotes de cargas para atender às demandas de importadores, acarretando o aumento do custo de capital de giro de exportadores.

Usuários que embarcam páletes em contêiner LCL (Less Than Container Load) tendem a migrar para contêiner cheio FCL (Full Container Load), enquanto os usuários de unidades de 20 passam a demandar as de 40 pés, ampliando de alguma maneira os lotes enviados ao exterior.

A questão que emerge desse quadro é a definição estratégica do local de posicionamento de estoques para recompor os níveis de rentabilidade, explorando-se ao mesmo tempo um diferencial de competitividade com agregação de valor no atendimento a clientes. Entre as opções, a maior proximidade ao importador é, sem dúvida, a mais promissora.

Nas negociações em que exportadores consigam migrar das tradicionais vendas FOB e CIF para as realizadas nas modalidades Delivered, assumindo a responsabilidade por entregas de produtos no destino e os riscos inerentes a essas operações, eles tornam-se capazes de atender melhor seus clientes, compartilhando com os mesmos a gestão dos seus próprios estoques.

Os que praticam a produção ou a distribuição enxuta (lean production or lean distribution) certamente estarão dispostos a pagar mais pelos produtos, na medida em que percebam reduções de custos proporcionadas por reposições mais frequentes e em menores lotes de cargas, facilitadas pelo posicionamento estratégico de estoques de seus fornecedores.

O preço mais alto poderá recompor os níveis de rentabilidade e, por conseguinte, de competitividade do produto brasileiro, ampliando as perspectivas de fortalecimento do processo de internacionalização de exportadores com a abertura de subsidiárias de distribuição e comercialização nos países-avo das vendas ao exterior

A discussão do tema será reforçada com as análises e discussões que ocorrerão no workshop Tendências de Custos e Competitividade no Transporte de Contêineres que será realizado na Associação Comercial de São Paulo no próximo dia 16.

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas