Senador Angelo Coronel diz que reforma do IR não irá para votação

Coronel (no centro), que é relator da proposta, recebeu na ACSP um manifesto contrário ao projeto assinado por 206 entidades setoriais. O parlamentar considerou o texto da reforma uma 'obra de arte da imperfeição'

Karina Lignelli
03/Dez/2021
  • btn-whatsapp
Senador Angelo Coronel diz que reforma do IR não irá para votação

O senador Angelo Coronel, relator do projeto de reforma do Imposto de Renda (PL 2237), anunciou na Associação Comercial de São Paulo (ACSP) nesta sexta-feira, 03/12, que a proposta não será colocada em votação em 2021, e provavelmente nem em 2022, no formato em que foi apresentada. 

O compromisso foi anunciado após o presidente da ACSP, Alfredo Cotait Neto, entregar ao parlamentar um manifesto, assinado por 206 entidades representativas de todos os setores da economia, rejeitando a proposta. 

Aprovado na Câmara dos Deputados sem tramitação nem debate com a sociedade, o projeto agora está no Senado, onde encontrou mais resistência na apreciação. Em reunião realizada em outubro na ACSP, Coronel chegou a dizer que o destino do PL seria a lata do lixo, ou que ele deveria ser engavetado e a chave jogada no mar. 

Polêmica, a proposta prevê mudanças profundas no IR, como a volta da tributação sobre dividendos e o fim da dedução de juros sobre capital próprio, que, para especialistas em tributação, podem desorganizar a economia. 

Coronel, que ao receber o manifesto disse ter tirado um peso das costas após meses estudando o PL, consultando tributaristas e economistas e realizando debates com todas as categoriais empresariais, criticou a rápida aprovação do texto na Câmara dos Deputados, com quórum alto e por quem, segundo ele, não leu o projeto.

Em sua avaliação, não se pode mexer desse jeito na vida dos pagadores de impostos, que geram renda e emprego no Brasil. "Esse projeto tem total rejeição dos brasileiros, todos os segmentos que o avaliaram repudiaram, porque ele nada mais é do que uma obra de arte da imperfeição", disse.  

Cotait, que agradeceu a coragem do senador, destacou a colaboração das entidades que assinaram o manifesto. Para o presidente da ACSP, a proposta de reforma, como foi desenhada, ameaça principalmente os micro, pequenos e médios negócios nesse momento de crise pelo qual atravessa o país.  

Cotait colocou a equipe de especialistas da ACSP à disposição "para trabalhar em torno de uma proposta de reforma que atenda às necessidades do país, além de simplificar e gerar desenvolvimento econômico."   

O QUE DIZ O MANIFESTO

Entre os pontos da proposta de reforma do IR criticados no manifesto aparece o estímulo à sonegação, uma vez que, para escapara da tributação de 15% sobre os dividendos, as empresas poderiam recorrer ao artifício da distribuição disfarçada de lucro, que é difícil de se fiscalizar.

O fim da dedução dos juros sobre o capital próprio (JCP) foi outro ponto criticado, por desestimular investimentos próprios pelos acionistas e tornar as empresas dependentes dos recursos do setor financeiro, que são mais onerosos. 

Outro ponto contrário à reforma destacado no manifesto é o aumento da burocracia e dos custos para empresas do Lucro Presumido com receita superior a R$ 4,8 milhões ao ano, que serão obrigadas a manter escrituração contábil completa.  

VEJA A ÍNTEGRA DO MANIFESTO

 

FOTO: Gabriel Daniele 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas