Resultados de junho mostram que varejo ensaia recuperação

Segundo os economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), uso do auxílio emergencial para o consumo ajuda a explicar aumento nas vendas

Instituto Gastão Vidigal
14/Ago/2020
  • btn-whatsapp

Em junho, os resultados do varejo apontam para um início de retomada, que deverá continuar, de forma gradual, ao longo dos próximos meses, minimizando a contração anual esperada para o comércio.

A recuperação da confiança do consumidor e a nova redução da taxa de juros básica (Selic) são fatores que podem atenuar ainda mais essa contração.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em junho, o varejo restrito (que não inclui veículos e material de construção) anotou leve alta de 0,5% sobre o mesmo mês de 2019, superando as expectativas, enquanto o varejo ampliado (que incorpora todos os segmentos) apresentou recuo de 0,9%.

LEIA MAIS: Pandemia muda hábitos de consumo das famílias

Em relação a maio, livre de efeitos sazonais, continuou a haver forte aumento dos volumes comercializados (8,0% e 12,6%, respectivamente).

Em 12 meses, seguiu havendo estabilidade no varejo restrito, e queda levemente mais intensa que a observada na leitura anterior, no caso do ampliado (-1,3%).

A melhora relativa dos resultados anuais decorre da existência de dois dias úteis adicionais, além da flexibilização das medidas de isolamento social, dos juros mais baixos e dos efeitos positivos do auxílio emergencial, que parece estar sendo direcionado em maior medida para o consumo.

Nessa mesma base de comparação se destacaram as vendas de itens considerados essenciais, no contexto do isolamento social e da instituição do home office: supermercados, móveis e eletrodomésticos, e bens de uso doméstico.

A queda mais intensa ocorreu no ramo de confecções, afetado negativamente pela quarentena e pelo fechamento das lojas físicas. No varejo ampliado, as vendas de veículos apresentaram queda menos intensa.

A surpresa positiva foi o aumento nas compras de itens de material de construção, usados em reformas e adaptação das moradias para o trabalho à distância.

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas