Restaurantes não conseguem repassar aumento de custos para o cardápio

Pesquisa feita em São Paulo pela Abrasel mostra que 69% dos estabelecimentos não reajustaram os preços ou fizeram correções abaixo da inflação

Redação DC
06/Jul/2022
  • btn-whatsapp

A alta dos preços dos alimentos, gás, combustível e energia tem refletido diretamente na receita dos restaurantes. Em uma conjuntura normal, o aumento desses custos seria repassado para o cliente, mas com a queda no poder de compra do brasileiro, ajustes de preços nos cardápios podem significar perda de público.

Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira, 6/07, pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) evidencia essa realidade. Pelo levantamento, 69% dos empresários paulistas do setor não conseguem repassar na totalidade o aumento dos custos para os cardápios.

Deste montante, 53% até fizeram ajustes nos preços, mas abaixo da inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que acumula taxa de 4,78% no ano, até maio, e de 11,73% em 12 meses.

Outros 16% dos que não conseguiram repassar o aumento de custos não fizeram ajuste algum nos cardápios. Apenas 5% dos empresários entrevistados reajustaram seus preços acima da inflação. A pesquisa da Abrasel foi feita entre os dias 21 e 28 de junho com cerca de 500 estabelecimentos.

NO VERMELHO

Sem a possibilidade de repassar os custos, 30% dos restaurantes de São Paulo fecharam o mês de maio com prejuízo e 33% não tiveram lucro, mas conseguiram ao menos equilibrar as contas.

Entre os que tiveram prejuízo, 80% apontaram como principal causa o aumento dos custos de alimentos e bebidas, que são os principais insumos desse setor. Um outro problema, para 66% dos empresários, foram as dívidas geradas por empréstimos bancários.

Pela pesquisa da Abrasel, 74% dos donos de restaurantes têm empréstimos com bancos, sendo que 35% têm parcelas em atraso. Em média, 13,4% das receitas estão comprometidas com o pagamento das parcelas de dívidas bancárias.

IMPOSTOS ATRASADOS

O levantamento mostra ainda que 33% dos empresários do setor estão devendo impostos do Simples Nacional. Dos mais de 500 entrevistados pela Abrasel, 82% estão no regime simplificado de tributação.

O Relp, programa especial de renegociação de dívidas voltado às empresas do Simples, foi o recurso usado por 59% dos empresários para tentar quitar esses débitos fiscais.

 

IMAGEM: Andrei Bonamin/DC

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas