Quase tudo pronto para o espetáculo

Detalhe importante é que, de certa forma, Bolsonaro repete Churchill ao prometer “sangue, suor e lágrimas”

Aristóteles Drummond
21/Nov/2018
  • btn-whatsapp
Quase tudo pronto para o espetáculo

 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, praticamente escalou o time que o vai ajudar a mudar o Brasil e definir linhas de ação em diferentes segmentos.

A opinião pública percebe que as escolhas, opções, prioridades e conceitos são corretos e totalmente independentes de populismo barato e irresponsável que nos levou a esta situação. Nota-se que a autoridade será restabelecida e a lei cumprida com rigor, quando necessário.

É preciso fechar o circuito na direção de enfrentar com realismo a verdadeira guerra civil que vivemos com a violência urbana sem controle, invasões agressivas no interior, áreas do território nacional fechadas a fiscalização da Polícia Federal e demais órgãos.

Liberados os agentes da lei para o enfrentamento correto dos bandos armados, deve-se sentir logo uma retração na violência.

A corrupção, que a esta altura já parece temerária na esfera pública, deve ser combatida de maneira racional e transparente. E o setor público, aliviado do peso de um aparelhamento político-ideológico de alto custo, inclusive no exterior, sem nenhuma contrapartida para a população.

O povo já não acredita na orquestração dos derrotados e frustrados. No caso dos médicos cubanos, ficou claro que todos poderão permanecer no Brasil desde que passem por uma revalidação prevista em lei, com prazos razoáveis, e tenham contratos e remuneração pagos sem intermediação de governo  estrangeiro, que trafica mão de obra, com toques de ideologia.

E cabe aos defensores dos “direitos humanos” controlarem represálias em Cuba a familiares dos que optarem por permanecerem em nosso país.

Também já cai mal a mesquinha pescaria de frases fora do contexto para comprometer escolhidos ou pessoas da confiança presidencial.

Ou a tentativa de “queimar” pessoas pelo “ouvir dizer”, e sem especificar o “ouvir dizer”. Tudo isto é mostra de um amadurecimento que não vem das camadas mais cultas, mas, sim, da percepção e da sensibilidade do povo em geral.

O ex-governador do então estado da Guanabara, Negrão de Lima (1901-1981) já dizia, com graça, que o esporte nacional não era o futebol. Era a intriga, denominada na época de “fofoca”. Parece atual!

Detalhe importante é que, de certa forma, Bolsonaro repete Churchill ao prometer “sangue, suor e lágrimas”, pois não pode promover reformas, ajustar contas, corrigir excessos, sem sacrifícios da sociedade.

Mas prevalece a confiança de que tudo será feito pela salvação nacional e um futuro melhor para todos, com o apoio do Parlamento.

Tudo quase pronto para o espetáculo começar.

Vamos torcer pelo sucesso.

 

FOTO: Tânia Rêgo/Agência Brasil

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas