Portugal e Espanha na mira do franchising brasileiro

De olho na troca de expertise e inovação, parceria dos grupos Bittencourt e Your pretende fomentar negócios nacionais e também europeus que querem expandir globalmente a partir desses países

Karina Lignelli
12/Fev/2021
  • btn-whatsapp
Portugal e Espanha na mira do franchising brasileiro

Não é de agora que as franquias brasileiras conquistaram o exterior. Levantamento da Associação Brasileira de Franchising (ABF) aponta que, em 2019, havia 163 marcas brasileiras operando em 107 países - uma alta de 12% ante 2018. Como principais destinos, Estados Unidos (67), Portugal (44) e Paraguai (36).  

Para levar o modelo de inovação dessas franquias para o mercado europeu, o Grupo Bittencourt, com mais de 30 anos de experiência em franchising, e o grupo português de consultoria em gestão Your, acabam de se associar para ampliar o ecossistema de negócios brasileiro a partir de países como Portugal e Espanha. 

O plano de internacionalização nasce no momento em que a economia global caminha para um processo de incipiente recuperação dos efeitos da pandemia, com a ampliação da vacinação em escala mundial.  

LEIA MAIS:  Sistema habilita estimula a entrada de pequenos negócios no comex

Além de desenvolver a gestão e expansão de redes de negócios e franchising, o objetivo é fomentar o intercâmbio entre os três países, segundo Lyana Bittencourt, CEO do grupo. 

"A aproximação de mercados em período de recuperação é uma prática comum em todo o mundo. Tem se falado muito na ampliação de ecossistemas com parceiros, e estamos indo ao encontro dessa tendência.”  

O Brasil é um dos países mais desenvolvidos do mundo no sistema de franchising, ocupando a 4ª posição do ranking mundial do World Franchise Council em redes, e a 6ª em número de unidades franqueadas. 

Com tamanha expertise, segundo a especialista, o franchising brasileiro tem muito a contribuir com o europeu em termos de profissionalização e boas práticas em desenvolvimento, gestão e expansão.  

LEIA MAIS:  A reinvenção das franquias de foodservice

Além de missões internacionais e projetos de internacionalização, os grupos desenvolverão em conjunto conceitos e avaliação dos canais para expansão que incluem o franchising. “É um mindset totalmente voltado para o cliente, e quando se somam expertises, a entrega é ainda melhor", acredita a CEO,

Ao unir programas especializados em Portugal e na Espanha que envolvem, além do desenvolvimento e expansão, a identificação e implementação da melhor estratégia de canais de venda e distribuição e a formatação de sistemas de franquias, a perspectiva é alcançar um crescimento deste mercado. 

PRONTA PARA IR AO MERCADO PORTUGUÊS, AÇAÍ DA BARRA ESPERA CRISE PASSAR

A operação inicia agora em fevereiro, e a parceria entre os grupos deve fomentar tanto negócios europeus quanto brasileiros que desejam expandir além das fronteiras. 

O intercâmbio também prevê impulsionar a transformação dos negócios, além da criação de oportunidades de investimento. 


 

"Em cenário recessivo, empresas ficam mais favoráveis a se associar e tendem a ir mais longe. Ao alavancar negócios com parceiros de fora da organização, a agilidade da retomada é maior", diz Lyana. 

Para Sara do Ó, fundadora e CEO do Grupo Your, a aliança disponibilizará novas soluções aos clientes. “Essa parceria constituirá mais um elemento de valor acrescentado para as empresas em Portugal e na Espanha, tornando-se um importante apoio ao desenvolvimento e expansão das redes de franquias e negócios."

À ESPERA DA RETOMADA 

Além de ter o idioma como um dos grandes facilitadores dessa aproximação entre Brasil, Portugal e Espanha, os três têm proximidade cultural maior e tendem a aceitar melhor produtos e serviços 'de fora', segundo Lyana Bittencourt. E claro, podem encurtar caminhos para mercados maiores, como China ou Oriente Médio. 

A cultura brasileira é admirada em muitos países da Europa, e os gostos e os sabores também são bem aceitos, explica. No caso do açaí, por exemplo, há um grande mercado importador da fruta nativa.

"Aos poucos, essa cultura do açaí ganhou o mundo com apelo de produto da Amazônia e de suas características funcionais e voltadas à saudabilidade", explica. 

LEIA MAIS:  No franchising, se é para crescer, que seja na crise

Com 94 unidades em todo o país e uma fábrica, a rede Açaí da Barra, fundada em Barra Bonita (interior de São Paulo), exemplifica esse modelo de negócio. Após um amplo processo de prospecção realizado com apoio do Grupo Bittencourt, a marca decidiu explorar o mercado externo a partir de Portugal.    

Autodenominada 'o primeiro self-service de açaí do Brasil', com 10 variedades no portfólio, 40 tipos de sorvetes, sanduíches naturais, tapiocas e milk-shakes, a ideia de expansão no exterior surgiu com a procura de interessados em virarem franqueados da marca em outros países, diz o sócio-fundador Everaldo Putti. 

A internacionalização foi a aposta para fortalecer o posicionamento de sua marca no mercado interno, a princípio, pois ir para o exterior é um trabalho de longo prazo até trazer resultados expressivos à franqueadora. "E no mercado interno, a visibilidade de estar lá fora traz esses resultados no curto prazo." 

LYANA BITTENCOURT: DIVERSIFICAÇÃO PARA ABRIR MERCADOS

Porém, com a chegada da pandemia, o processo está em suspenso. Será que o mercado como um todo paralisou? Como fomentar a expansão para o exterior no atual contexto recessivo? 

Colocando em prática a velha máxima 'é na crise que surgem as oportunidades', Lyana Bittencourt explica que há duas abordagens sobre os motivos para diversificação em outros mercados.

Em especial, no momento em que a pandemia continua presente - e, dependendo do mercado, de forma mais severa que na primeira onda.   

A pessimista, claro, tem foco no risco. "Isso pode acarretar numa retomada mais lenta, e de um consumidor mais reticente em consumir, destaca a especialista. 

Já a otimista se baseia em diversificação para diluir riscos e abrir novas frentes, com flexibilidade para negociar com fornecedores. Inclusive no real estate, e no consumidor ávido por voltar à rotina – e às lojas. 

Portanto, o que muda é a estratégia de cada marca. "Ela pode ser mais voltada a se proteger. Ou à aceleração e busca de novas oportunidades que se abriram por conta da pandemia", afirma Lyana. 

No caso da Açaí da Barra, a opção foi focar o trabalho no mercado interno. Pelo menos por enquanto. 

"Aqui, já temos experiência em operar", destaca Putti. "Por isso a retomada acontecerá somente quando houver melhora expressiva do mercado e da pandemia", finaliza o empresário.

FOTO: Divulgação / ARTE: Will Chaussê

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas