Para bancos, eleição é fator de alto risco no Brasil

A avaliação é do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), formado pelos 500 maiores bancos do mundo, com sede em Washington.

Estadão Conteúdo
09/Mai/2018
  • btn-whatsapp
Para bancos, eleição é fator de alto risco no Brasil

As eleições no Brasil e no México continuam a ser um "risco significativo" para Brasil e México neste ano, na avaliação do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), formado pelos 500 maiores bancos do mundo, com sede em Washington.

A entidade afirma que essa incerteza com as urnas não permite saber se a política atual será mantida no País, mas também aponta que, se não houve uma mudança radical, o Brasil deve crescer mais neste ano e no próximo.

O IIF afirma que o País supera uma recessão apoiado em relaxamento "significativo" da política monetária e em condições globais favoráveis no ano passado.

O ímpeto por reformas, a dinâmica favorável dos preços e uma posição externa equilibrada ajudam a retomada, apesar da maior incerteza política, diz ele.

"Isso permite que o Banco Central reduza os juros com ímpeto, enquanto ancora a estabilidade financeira", afirma. "Nós esperamos uma recuperação constante na entrada de capital não residente neste ano e no próximo, consistente com um fortalecimento gradual da economia", afirma o IIF. Enquanto isso, ele prevê que a retirada de capital dos residentes deve aumentar antes da eleição presidencial de outubro.

O investimento estrangeiro direto que entrará no Brasil deve em grande medida financiar o atual déficit em conta corrente, o que resultará em mais acúmulo de reservas internacionais, na projeção do IIF.

Apesar dos progressos do último ano, o déficit fiscal considerável, de 7,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017, pesará sobre o crescimento, caso a questão não seja enfrentada, argumenta.

"Problemas estruturais impedem uma consolidação fiscal mais rápida, tornando a reforma previdenciária proposta crucial para a sustentabilidade das finanças públicas. Porém um Congresso muito fragmentado e a eleição por vir retardaram sua aprovação."

O IIF diz ainda que as condições financeiras mais apertadas, impulsionadas pela alta dos juros nos EUA, e as crescentes tensões internacionais poderiam significar pressão de baixa para o real, o que limitaria a capacidade do BC brasileiro de manter uma política monetária acomodatícia, mesmo com a inflação sob controle.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas