Ovomaltine optou pelo caminho da terceirização

É possível manter a qualidade dos produtos com produção e vendas delegadas a outros fabricantes? O executivo Danilo Nogueira explica como fazer isso

Thais Ferreira
04/Abr/2016
  • btn-whatsapp
Ovomaltine optou pelo caminho da terceirização

O olho do dono engorda o gado é um bordão repetido à exaustão no mundo dos negócios. Mas nem sempre é assim. A história do Ovomaltine – marca de achocolatado do grupo Associated British Food – contradiz o ditado popular e mostra é que possível crescer e manter o padrão terceirizando a produção.

O Ovomaltine foi criado em 1904, na Suíça, como um complemento alimentar para combater a desnutrição infantil. A relação com o Brasil vem de longa data.

A marca chegou ao país em 1940. Na época, o produto teve que ser adaptado ao paladar dos brasileiros: o amargor do malte foi substituído por sabores mais doces e foi instalada uma fábrica própria.

Apesar de não investir continuamente em marketing durante décadas, a empresa cresceu de forma orgânica. Parte da popularidade do produto se deve ao milk shake de Ovolmaltine desenvolvido pela rede de lanchonetes Bob’s. Eles começaram a serem vendidos 1959 e continuam sendo um dos campeões de venda até hoje.

DANILO NOGUEIRA, GERENTE DA AMÉRICA LATINA DA MARCAS OVOMALTINE E TWININGS

TERCEIRIZAÇÃO

A trajetória do Ovomaltine no Brasil mudou em 2001, quando o grupo britânico adquiriu a marca – que anteriormente foi controlada por três empresas farmacêuticas. Em 2007, foi montado um escritório local. Dois anos depois, a empresa começou investir na veiculação de  propaganda em televisão.

O caminho escolhido pelos ingleses foi  buscar parceiros que pudessem manter a produção e a venda dos produtos no país. Desde então, a marca estabeleceu contratos com três empresas terceirizadas. A união com algumas delas dura mais de 15 anos.

O segredo para esse casamento de sucesso é a proximidade. “Temos uma relação que não é apenas contratual”, afirma Danilo Nogueira, gerente da empresa na América Latina. “É preciso trazer o terceirizado para dentro do planejamento estratégico da marca para que ele realmente se sinta parte do negócio”

De acordo com Nogueira, a escolha da empresa parceira é fundamental para que esse modelo de negócio seja bem sucedido. Esse processo inicial demanda tempo e investimento e deve ser pensado em longo prazo.

Além dos fatores relacionados aos custos, ele acredita que os critérios para escolha são a capacidade da fábrica e a qualidade do produto final. Se essa seleção não for bem realizada, pode gerar problemas no futuro.

A troca do fabricante brasileiro que produz o Ovomaltine, por exemplo, poderia gerar uma diferença significativa na mercadoria, por causa das mudanças de equipamento.

Assim como num relacionamento entre pessoas, a união entre duas empresas requer conhecimento profundo da outra parte.

“Buscamos parceiros com valores similares aos nossos, tanto no quesito ético quanto na paixão pelo negócio e no sonho de crescer junto”, diz Nogueira.  

A empresa faz auditorias constantes para assegurar os padrões. Além disso, as terceirizadas devem seguir um código de conduta e rigorosas regras estabelecidas pela empresa inglesa – o Reino unido é um dos países que possuem uma das leis anticorrupção mais rigorosas do mundo.

Para melhorar e manter a qualidade da produção, a empresa se vale da prática de benchmarking, que consiste em comparar e estudar os processos das concorrentes para a aprimorar a produção.

No caso do Ovomaltine, essa conferência também é realizada com as fábricas do produto em outros países.  

Um das principais vantagens da terceirização é sem dúvida a redução de gastos. Além disso, esse modelo mantém a empresa mais centrada no núcleo do negócio.

O Ovomaltine, por exemplo, tem apenas 20 funcionários em seu escritório no Brasil e suas capacidades e energias estão direcionadas para as partes mais estratégicas da empresas – que também é responsável pela venda dos chás da marca Twinings.

ROBERTO LIMA, PRESIDENTE DA NATURA: APENAS UMA PARTE DA PRODUÇÃO É TERCEIRIZADA

APENAS UMA PARTE

Diferentemente do Ovomaltine, as empresas brasileiras Óticas Carol e a Natura utilizam um sistema que mescla fabricação própria com alguns itens produzidos por empresas terceirizadas.

A estrégias nesses casos é deixar a produção mais flexível, caso seja necessário aumentar ou diminuir a demanda em um curto espaço de tempo.

Na produção da Natura, por exemplo, parte das linhas de produtos viscosos, principalmente xampus e condicionadores, são produzidos fora das fábricas da empresa. Os fabricantes externos utilizam exatamente os mesmos processos e ingredientes.

“As terceirizadas são como uma extensão da nossa produção”, diz Roberto Lima, presidente da Natura.

A Óticas Carol contrata laboratórios parceiros que são responsáveis por cerca de 65% da produção de lentes vendidas pelas empresa. O restante é feito em sua fábrica própria em Barueri.

“Eles seguem nosso padrão qualidade”, diz Ronaldo Pereira, CEO da Óticas Carol. Já as armações são fornecidas por grandes marcas mundiais, como Ray-Ban, Okley e Burberry.  

PRODUTOS QUE ESTAMPAM A MARCA OVOMALTINE NO BRASIL E NO MUNDO

FUTURO

A empresa responsável pelo Ovomaltine não tem pretensões de ter uma fábrica própria no país e pretende continuar expandindo com esse modelo mesmo no período de recessão econômica.

Desde 2007, as vendas cresceram sete vezes, de acordo com Nogueira. “Percebemos que com a crise, o ritmo caiu, mas nossa expectativa é crescer 15% em 2016”, acrescenta.

Um dos fatores que contribuem para a expansão do Ovomaltine é mercado de alimentação fora do lar. Além da parceria histórica com o Bob’s, os produtos das marcas são encontrados em bolos, sorvetes e doces do McDonald’s, Diletto, Amor aos Pedaços e Giraffas.

Além disso, a empresa pretende entrar em uma nova categoria – a venda de Ovomaltine com leite pronto para o consumo em padarias, outro plano é lançar novos produtos da marca ainda neste ano.   

*Com reportagem de Karina Lignelli

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas