O momento de trabalhar

Os novos governadores e os prefeitos devem se alinhar a esse esforço. O sofrimento dos menos favorecidos pede uma trégua nas disputas políticas e um mínimo de humildade nos derrotados

Aristóteles Drummond
31/Out/2018
  • btn-whatsapp

 

O que o Brasil vai fazer a partir de janeiro  será, se Deus quiser, um trabalho monumental de reconstrução nacional. A prioridade é a economia, que faz o povo sofrer, com o desemprego, baixos salários, violência urbana e custo de vida alto em termos comparativos.

Equacionada a questão econômica, que, na verdade, exigirá cortes no orçamento e medidas atrativas ao capital para a vinda de investimentos positivos e não especulativos, teremos pela frente uma ampla revisão nas leis, que nem sempre  atingem a Constituição – esta, por ser tema explosivo, deve ficar para mais tarde, serenados os ânimos.

O importante é consolidar a Reforma Trabalhista, o legado mais positivo do presidente Temer, definir logo no Congresso a questão da prisão em segunda instância para evitar clima de tensão desnecessário, diminuir e simplificar os impostos para retomar o crescimento, injetar dinheiro na economia e atrair investidores.

Nossa legislação é complexa, cheia de controvérsias, alimenta milhões de ações que ajudam o Judiciário a ser lento pelo acúmulo de processos. A Reforma Trabalhista, por exemplo, fez cair as ações na Justiça do Trabalho, que é lenta e cara.

Precisamos de moralidade na administração e da volta da meritocracia, que deu certo nos governos Castelo Branco, Costa e Silva, Médici e Figueiredo, quando o país era gerido com probidade e competência.

É isso que vai influir no clima de união dos brasileiros que buscam no trabalho e na família a base da felicidade e da paz, desde, claro, que o governo lhes assegure educação, saúde e segurança.

Temos tudo para dar certo. O presidente Jair Bolsonaro não é homem de paixões ideológicas, não se apresenta como dono da verdade, já demonstrou tolerância na campanha em que foi alvo das maiores baixarias. Homem simples, indica que se cercará de gente de bem e do bem.

O Brasil precisa de menos polêmicas, menos preconceitos, mais pragmatismo para vencer as dificuldades que são enormes e ficaram certo tempo relegadas a um segundo plano em função da campanha. No entanto, permanecem assustadoras em termos de números e falência em serviços essenciais.

Os novos governadores e os prefeitos devem se alinhar a esse esforço. O sofrimento dos menos favorecidos pede uma trégua nas disputas políticas e um mínimo de humildade nos derrotados. Ou seja, espera-se que todos colaborem.

O futuro está nas mãos de todos. Não apenas do presidente eleito pela mais autêntica manifestação popular da história.

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas