O jeito sustentável da Dengo produzir chocolate

Marca de chocolates especiais, produzidos com cacau cultivado na Bahia, estimula produtores e dá a partida em uma rede de lojas próprias

Mariana Missiaggia
06/Jun/2018
  • btn-whatsapp
O jeito sustentável da Dengo produzir chocolate

Cada vez mais pesquisas mostram a disposição dos brasileiros a mudar seus hábitos alimentares em busca de uma vida mais saudável. Eles querem reduzir sal, açúcar, gordura, lactose e outros elementos.

Ao mesmo tempo em que a indústria tem sido pressionada a rever fórmulas e ampliar o portfólio, novas marcas surgem como um incentivo aos novos costumes - uma delas é a Dengo.

Focada em chocolates e cafés especiais, a marca lançada há quase um ano tem como bandeira a aproximação de produtor e consumidor e só utiliza ingredientes nacionais.

DIRETO DA TERRA

Tudo começou com uma ideia de Estevan Sartorelli, engenheiro de produção, que por 12 anos trabalhou no marketing da Natura, e Guilherme Leal, empresário e um dos fundadores da companhia, de criar um negócio de impacto social.

ESTEVAN SARTORELLI, QUER MUDAR A REALIDADE DE
PRODUTORES DE CACAU/FOTO: BRUNEL RICCI

Desde 2004, quando passou a visitar o sul da Bahia com mais frequência, Leal percebeu que toda a beleza natural da região não se traduzia em riqueza para quem vivia no entorno.

Ao mesmo tempo, descobriu que embora não fosse valorizada, a produção de cacau era uma cadeia com relevância para a economia local. Na companhia de Sartorelli, a dupla passou a rascunhar possibilidades de negócios com potencial para mudar a realidade dos produtores baianos e gerar riqueza em território nacional –um conceito muito parecido com o que a própria Natura pratica e propõe com a linha Ekos.

No Brasil, a produção de cacau movimenta cerca de R$ 14 bilhões por ano, de acordo com os dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). São 745 mil hectares de área plantada no país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Convencidos de que a amêndoa de cacau seria a estrela do negócio, em 2012, fomentaram o chamado Centro de Inovação do Cacau (CIC), em Ilhéus, com o apoio de outros interessados. Trata-se de um laboratório de alta tecnologia que faz análises de amêndoas de cacau.

O objetivo é atestar a qualidade e certificar o cacau produzido na região. Ou seja, produtores enviam seu material para ser examinado e, a partir do laudo que recebem, conferem preço ao cacau, de acordo com a qualidade da amêndoa.

Em contato direto com esses produtores, Sorterelli e Leal selecionaram sete agricultores e se lançaram no mercado de chocolates.

Sem fazenda própria, a proposta da Dengo é justamente comprar cacau de produtores selecionados e pagar um prêmio a eles conforme a qualidade de suas amêndoas, com base nos resultados da CIC.

De acordo com Sartorelli, a Dengo paga de 70% a 90% acima da cotação do cacau na Bolsa de Nova York, e quando outros agricultores souberam, logo se interessaram pela oportunidade. Hoje, são mais de 120 parceiros.

“Não temos relação contratual, nem mesmo de exclusividade com esses produtores. Como atividade econômica, a produção de cacau foi muito mal remunerada. Queremos investir, valorizar a cadeia e renovar as práticas agrícolas”, diz. “Não queremos frustrar essa expectativa de retomada”.

Nas redes sociais da marca, alguns vídeos gravados com os próprios produtores contam a história de cada um deles, a relação com o café e o momento em que provam o chocolate da marca produzido com a amêndoa deles.

CHOCOLATES DA DENGO SÃO RECHEADOS COM FRUTAS BRASILEIRAS, COMO JABUTICABA E CAJÁ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O conceito do chocolate feito desde a amêndoa até a barra pelo mesmo produtor, chamado de bean-to-bar, se tornou sinônimo de um produto artesanal com qualidade superior.

Há menos de uma década, poucas empresas de chocolate se utilizavam do termo. Hoje, estima-se que cerca de 30 marcas sigam nessa linha. Concorrentes da Dengo, nomes como Amma e Mendoá são consideradas pioneiras.

CHOCOLATE COMO JOIA

Lançada em junho de 2017, com loja-piloto no Morumbi Shopping, as lojas da Dengo foram projetadas com um conceito inovador – com base em madeira, marcenaria sofisticada, piso rústico, iluminação quente e muito vidro, lembrando a ambientação de uma joalheria.

São as grandes vitrines de vidro que expõem os chocolates como verdadeiras joias. Nas prateleiras, os chocolates não têm adição de essências, aromas ou químicos desnecessários e nenhum tipo de gordura hidrogenada. Bem pouco utilizado, o açúcar é orgânico e de alta qualidade. “Mais cacau, menos açúcar é nossa bandeira”.

As tradicionais barras têm seis variações de teor de cacau, de 36% a 75%, além de uma versão sem açúcar, todas com origem especificada, apresentando fotos e informações sobre cada produtor. Os bombons seguem na mesma linha regional e são recheados com frutas brasileiras, como cupuaçu, jabuticaba, cajá e caju, também cultivadas pela rede de produtores da Dengo.

DISPOSIÇÃO DOS CHOCOLATES NA LOJA FÍSICA FAZEM
ALUSÃO A UMA JOALHERIA

Além de valorizar o cultivo responsável, a empresa também propaga o consumo consciente com a venda de produtos a granel para diminuir o uso de embalagens – esse formato já representa 80% das vendas marca. O quilo do chocolate gira em torno de R$ 200, dependendo do tipo.

EXPANSÃO

Com apenas quatro lojas –duas em São Paulo, uma em Barueri e outra no Rio de Janeiro, a expansão da Dengo acontecerá aos poucos, segundo Sartorelli.

Para 2018, a única abertura prevista é a de uma loja no Shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo, para agosto. Por ora, o franchising ainda não é considerado como estratégia de expansão, de acordo com Sartorelli.

Disponível no e-commerce, a Dengo distribui para todo o país e levou quase um ano para desenvolver uma embalagem em que o chocolate não derretesse ou quebrasse ao ser transportado durante cinco dias.

FOTOS: Andres Otero e Carolina Lima/Divulgação

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas