No Dia do Comércio Exterior, Brasil comemora mais um ano de recordes

Mesmo em cenário adverso, balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 61 bilhões, maior saldo positivo desde 2017, puxado pelos esforços de empreendedores que foram além das fronteiras

Karina Lignelli
28/Jan/2022
  • btn-whatsapp
No Dia do Comércio Exterior, Brasil comemora mais um ano de recordes

No dia 28 de janeiro de 1808, o rei D.João VI assinou o decreto de abertura dos portos brasileiros. Hoje, 214 anos depois, na data que foi chancelada como Dia do Comércio Exterior, o Brasil comemora um novo recorde.

Em 2021, mesmo em cenário ainda adverso para os negócios pelos dois anos de pandemia e desafios como a alta do frete internacional, a disparada do dólar e atrasos na logística marítima, a balança comercial brasileira encerrou com saldo positivo de US$ 61 bilhões. 

Este saldo, resultante dos US$ 280,4 bilhões em exportações e US$ 219,4 bilhões em importações, representa uma alta de 35,8% em relação ao saldo de 2020, e supera o recorde de US$ 56 bilhões registrados em 2017, segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia.  

Mas, das trocas de produtos e serviços realizadas desde os primórdios da civilização, à globalização que transformou o Brasil em um player importante do comércio exterior, o saldo positivo é resultado do esforço de pequenos, médios e grandes empreendedores que se internacionalizaram e conseguiram até driblar crises ao diversificar mercados. 

LEIA MAIS:  3 contratos que protegem seus negócios no comércio exterior

Além de melhorarem os próprios resultados, a importância de atuar em comércio internacional é inegável por trazer inúmeros ganhos ao país, diz Rita Campagnoli, vice-presidente de comércio exterior da Associação Comercial de São Paulo e presidente do Conselho Deliberativo do Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras (Ceciex). 

Segundo ela, esses ganhos vão além do crescimento da economia. "Eles envolvem o acesso à tecnologia e à inovação em produtos, sistemas e processos, e isso diminui os riscos da atividade interna e leva diversificação ao mercado consumidor, entre tantos outros benefícios."  

A ampliação da inserção internacional e das trocas comerciais brasileiras com grandes economias pode ser medida em números. Segundo o Ministério da Economia, em 2021 subiram as exportações para os Estados Unidos (44,9%), Mercosul (37%), Associação das Nações do Sudeste Asiático - Asean (36,8%), União Europeia (32,1%) e China (28%).

MUITO A TRABALHAR

Ainda que a abertura dos portos brasileiros remeta a mais de dois séculos, o trabalho de desenvolvimento do comércio exterior brasileiro é um fato de certa forma recente, segundo Rita. 

Começou a ganhar força na década de 1970, quando praticamente só eram permitidas exportações e havia excesso de regras e dificuldades para importar, conta. Só no início dos anos 90 o mercado se abriu para importações.  

A partir desse momento, o comex brasileiro passou a crescer não só por conta da melhora da sistemática e da diminuição da burocracia governamental nas operações para o mercado externo, destaca, mas também do ponto de vista econômico, já que o país mostrou que tem um portfólio diverso e potencialmente exportável.   

Em sua avaliação, é fato que existe uma "lista de commodities" que engrandece o superávit na balança comercial, e as exportações brasileiras ainda dependem muito desses itens. Exemplo disso é a participação em 2021 desses artigos, como aço (101,3%), produtos da indústria extrativa (62,4%) e agropecuários, como soja (35,3%).  

Mas, mesmo ocupando uma fatia menor, o atual saldo positivo da balança mostra também que empreendedores estão atendendo o mercado internacional - vide a procura por produtos nativos, como açaí e cupuaçú, inclusive para a indústria cosmética, ou peças com design exclusivamente brasileiro, como moda praia e fitness.

Rita lembra que a ACSP, por meio da sua SP Chamber of Commerce, tem contribuído muito para disseminar estratégias de internacionalização e incentivar que pequenas e médias empresas iniciem essa atuação além das fronteiras, pois há um grande potencial a ser explorado no mercado externo. 

"Isso mostra que buscamos cada vez mais a inserção de produtos brasileiros no mercado internacional - inserção essa que garante qualidade, preços competitivos e aprimoramento constante para aumentar sua aceitação." 

Porém, mesmo afirmando que vê esse crescimento com alegria, Rita reforça que, para o Brasil intensificar sua participação nos fluxos de comércio e investimentos globais, "há muito ainda o que se trabalhar." Afinal, o share do país no comércio exterior não ultrapassa os 2%. 

A ideia, conforme o balanço do comércio internacional, análise feita por Rita anteriormente para o Diário do Comércio, é tornar o comércio exterior brasileiro mais ágil, simples, moderno e menos custoso - pontos essenciais para garantir maior competitividade das empresas brasileiras no mercado externo.

"O diálogo entre empresas e governo tem de ser cada vez mais aberto, constante, próximo e requer posicionamento estratégico, firme, para sedimentar cada vez mais a importância do Brasil como player no comércio internacional."

FOTO: Freepik            ARTE: Will Chaussê

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Abr
Mai
Jun
IGP-M
1,1466
1,1072
1,1070
IGP-DI
1,1353
1,1056
--
IPCA
1,1213
1,1173
--
IPC-Fipe
1,1226
1,1227
--

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
1,5%
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas