Mundo tenta assimilar impacto da decisão de referendo britânico

A União Europeia tem pressa e já marcou reunião para a próxima semana sem a presença do Reino Unido. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, tratou a situação como um divórcio não amigável

Redação DC
24/Jun/2016
  • btn-whatsapp
Mundo tenta assimilar impacto da decisão de referendo britânico

Líderes mundiais começaram a sexta-feira (24/06) tentando assimilar os impactos da decisão da maioria do povo britânico de deixar a União Europeia (UE). Logo após o resultado do referendo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou que renunciará ao cargo.

Autoridades francesas, italianas e alemãs lamentam a saída do Reino Unido da UE. O Papa Francisco disse que o referendo expressa a vontade do povo e requer grande responsabilidade para garantia do bem-estar dos britânicos.

Por aqui, o presidente interino Michel Temer negou que haja qualquer impacto direto no Brasil, mas admitiu que a decisão dos britânicos “quebra a possibilidade de uma unidade mais acentuada entre os Estados.”

O premier italiano, Matteo Renzi, disse que a Itália continua comprometida com a União Europeia. A chanceler da Alemanha, Angela Merkel e o presidente da França, François Hollande, lamentaram o resultado do referendo.

O líder italiano destacou, no entanto, que mudanças são necessárias. "A Europa é nossa casa, o lar de nossos filhos e netos. Mais do que nunca estou convencido de que precisamos de renovações", disse em coletiva de imprensa.

O italiano não acredita que o referendo cause instabilidade no continente. "Estou aqui para dizer que a Itália vai fazer sua parte. O governo e as instituições financeiras estão em condições de garantir estabilidade e segurança", disse Renzi.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, por sua vez disse que o bloco é forte o suficiente para lidar com a situação. Ela declarou que a Alemanha tem um interesse especial e uma responsabilidade com o sucesso da UE e que as autoridades europeias precisam tentar uma relação próxima de Londres no futuro.

A chanceler também lembrou que o Reino Unido continua membro da UE com "todos seus direitos e obrigações" até que as negociações sejam concluídas.

Merkel revelou que um encontro com o presidente da França, François Hollande, e o premier da Itália foi agendado para a próxima segunda-feira (27/06) em Berlim para debater a questão.

François Hollande lamentou "profundamente" a decisão pela saída do Reino Unido e disse que o bloco deverá fazer mudanças para continuar avançando. "A votação britânica é um duro teste para a Europa", concluiu.

Em breve pronunciamento televisionado, Hollande disse que este é o momento para reforçar importantes políticas, como de segurança e defesa, proteção das fronteiras e criação de empregos.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que respeita a decisão do povo britânico de deixar a União Europeia e afirmou que tanto o Reino Unido quanto a UE vão continuar sendo parceiros indispensáveis dos EUA.
 
"A relação especial entre EUA e Reino Unido é duradoura e a filiação do Reino Unido à Otan continua sendo uma pedra fundamental da política econômica, exterior e de segurança dos Estados Unidos", destacou o presidente norte-americano.
 
UM PASSO À FRENTE

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia se reunirão na próxima terça-feira (28/06) na cúpula do bloco ainda com representação dos 28 países membros, mas na quarta (29/06) já terão um encontro informal na sede do Conselho Europeu sem o Reino Unido e seu primeiro-ministro, David Cameron.

A presidência do Parlamento Europeu disse querer a saída britânica o mais rápido possível. “Não faz sentido esperar até outubro para tentarmos negociar os termos de sua saída. Gostaria de começar imediatamente”, disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

 “A UE buscará uma abordagem razoável. Não é um divórcio amigável, pois não era uma relação sólida de amor”, afirmou Juncker.

MERCADO

O Fundo Monetário Internacional (FMI) propõe transição suave para a saída do Reino Unido da União Europeia. Em uma tentativa de acalmar os mercados financeiros ao redor do mundo, a diretora do fundo, Christine Lagarde, divulgou comunicado em que afirma que os bancos centrais do Reino Unido e da Europa vão atuar para evitar volatilidade financeira nos mercados.

Nesta sexta-feira, os mercados financeiros em todo o mundo amanheceram agitados com o resultado do referendo. No Brasil, o Ibovespa (índice que reúne as ações mais negociadas e de maior valor de mercado) registrava queda de 3,5% às 16h30, aos 49.797 pontos.

O Banco Central (BC) informou, por meio de nota, que está monitorando continuamente os efeitos da decisão dos britânicos de deixar a União Europeia nos mercados global e doméstico. O BC afirmou que adotará as medidas adequadas para manter o funcionamento normal dos mercados financeiro e cambial.

"A economia brasileira tem fundamentos robustos para enfrentar movimentos decorrentes desse processo, especialmente um relevante montante de reservas internacionais, o regime de câmbio flutuante e um sistema financeiro sólido, com baixa exposição internacional”, informou o BC em nota.

BRASIL

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, José Serra, ministro das Relações Exteriores, disse que a saída do Reino Unido da União Europeia pode ser boa para o Brasil.

Segundo ele, a pecuária e o agronegócio podem se beneficiar. Entretanto, o ministro ressaltou que a decisão é negativa do ponto de vista geopolítico. Ele acredita que a decisão dos britânicos vai alimentar os movimentos nacionalistas dentro da Europa.
 
O Ministério da Fazenda divulgou nota afirmando que o Brasil tem fundamentos econômicos sólidos e dispõe de instrumentos para lidar com turbulências na economia internacional.

Segundo o ministério, “o país tem expressivo volume de reservas internacionais e o ingresso de investimento direto estrangeiro tem sido suficiente para financiar o déficit (resultado negativo) nas contas externas. Esses dois fatores ajudam a conter pressões para a elevação da cotação do dólar.”
 

*Com agências

IMAGEM: Agência Brasil

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas