Mercado já vê taxa de juros a 4% em 2020

É crescente o número de casas que acreditam que o alívio monetário deve continuar no primeiro trimestre de 2020. Maioria das apostas indica que Selic deve cair de 5,5% para 4,5%

Estadão Conteúdo
15/Out/2019
  • btn-whatsapp
Mercado já vê taxa de juros a 4% em 2020

Com a inflação surpreendendo para baixo, a recuperação econômica ainda lenta e a taxa de câmbio menos volátil, o mercado enxerga que o Banco Central será mais agressivo no corte dos juros.

Segundo levantamento com bancos, consultorias e gestoras, a estimativa de uma Selic, a taxa básica de juros, a 4,5% em 2020 é predominante.

Nos últimos dias, porém, as apostas de 4% ganharam força. A Selic já está em um patamar historicamente baixo. Ainda assim, as apostas para a reunião deste mês do Comitê de Política Monetária (Copom), do BC, são unânimes em queda de 5,5% para 5%. Em dezembro, na última reunião de 2019, deve haver outro corte de 0,5 ponto porcentual, fazendo a Selic terminar o ano em 4,5%, segundo 23 de 32 casas ouvidas.

Em levantamento feito pelo Estadão/Broadcast após a reunião do Copom de setembro, a maioria das apostas para a taxa de juros no fim de 2019 era de 4,75% e havia apenas uma casa estimando que a Selic chegaria a 4% em 2020.

Agora, é crescente o número de casas que acreditam que o alívio monetário deve continuar no primeiro trimestre de 2020. Por isso, as projeções para a taxa básica de juros no fim do ciclo de afrouxamento variam de 4% a 4,75%, com oito casas estimando Selic a 4%.

Apenas nesta segunda-feira (14/10), Itaú Unibanco, Banco Fibra e Banco Votorantim cortaram suas projeções para a Selic. As três instituições esperam uma taxa de 4% no fim do ciclo, em 2020. Na última semana, ING e Banco Safra já haviam revisto suas estimativas para 4%.

Ativa Investimentos e Genial Investimentos também aguardam corte para 4% no próximo ano.

"O mais importante (para rever a projeção) é que a inflação está baixa, as expectativas de inflação ancoradas e o País caminhando para a consolidação fiscal, com o avanço da reforma da Previdência", disse Felipe Salles, economista do Itaú.

Salles destaca que o ambiente global está mais favorável desde sexta-feira, quando Estados Unidos e China acertaram uma trégua. Esse arrefecimento na guerra comercial, aliado a uma redução gradual da taxa de juros nos Estados Unidos, tende a não pressionar ativos de risco, incluindo o real.Um câmbio mais estável significa menos pressão inflacionária e, portanto, Selic mais baixa.

Em relatório, o Banco Fibria destacou que não descarta a possibilidade de a Selic testar, até mesmo, patamares ainda mais baixos do que 4%.

"Julgamos que num cenário alternativo onde a atividade econômica exija estímulos adicionais para acelerar, a política fiscal permaneça apertada e as condições globais permitam, o Copom poderia reduzir a taxa Selic para abaixo de 4% ainda em 2020, mas provavelmente após uma pausa no atual ciclo de afrouxamento monetário."

No banco, a inflação mais baixa e as expectativas ancoradas explicam a revisão para a Selic. O Fibra mudou também a projeção para o IPCA de 2020 de 3,7% para 3,5%.

INFLAÇÃO

A surpresa de deflação de 0,04% do IPCA na quarta-feira passadafoi um dos gatilhos para que as casas revissem suas apostas para a Selic. O Bradesco e a Quantitas Asset, por exemplo, passaram a estimar 4,5% no fim do ciclo de afrouxamento monetário, em 2020.

"É um ajuste fino. Com a atividade ainda fraca e a percepção de que não deve ter um choque cambial que inviabilize o cenário de juros, o sinal é de que o BC não deve parar em 4,75%. Mas, para ir além disso, seria necessária uma dinâmica cambial melhor. Esperamos que o câmbio fique relativamente estável, terminando este e o próximo ano em R$ 4", diz o economista João Fernandes, da Quantitas. 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas