Lucro das companhias abertas cresce 42%

No ano passado, a Petrobrás voltou a ser a empresa mais lucrativa do País, com R$ 25,7 bilhões, após prejuízo de R$ 446 milhões em 2017

Estadão Conteúdo
02/Abr/2019
  • btn-whatsapp
Lucro das companhias abertas cresce 42%

O lucro das 308 empresas de brasileiras com ações na Bolsa cresceu 42% em 2018 em relação ao ano anterior e somou R$ 177,5 bilhões, apesar da greve dos caminhoneiros que praticamente paralisou a economia no segundo trimestre.

A taxa de crescimento do lucro foi quase o triplo da registrada em 2017 (17%), segundo estudo da Economática, empresa especializada em informações financeiras.

Nessa conta não estão incluídos os resultados da Petrobrás, Eletrobrás e Oi Brasil, que tiveram fortes crescimentos do lucro no período e, por isso, distorcem os resultados.

Com Petrobrás, Eletrobrás e Oi S.A., o lucro de 311 empresas em 2018 somou R$ 241,1 bilhões, ante R$ 116,5 bilhões em 2017.

A alta foi de 106,8%. No ano passado, a Petrobrás voltou a ser a empresa mais lucrativa do País, com R$ 25,7 bilhões, após prejuízo de R$ 446 milhões em 2017.

Einar Rivero, gerente de Relacionamento Institucional da consultoria e responsável pelo estudo, atribui o bom desempenho do lucro em 2018 ao ajuste feito pelas empresas e também às expectativas favoráveis que se formaram, logo após a definição do cenário eleitoral.

Mesmo com a economia patinando. "O desempenho da economia não foi grande coisa em 2018, mas ainda assim houve crescimento", diz Bruno Lavieri, economista da 4E.

Segundo ele, o pequeno crescimento do PIB (1,1%), puxado pelo consumo, acabou tendo impacto positivo na receita e no lucro das companhias. "Como as empresas não estão investindo, todo o lucro acaba sendo lucro de fato e foi distribuído", diz.

LEIA MAIS: Brasil será o país que mais tributa lucros de empresas

Mais uma vez, o setor mais lucrativo foi o dos bancos. Juntas, as 22 instituições financeiras embolsaram R$ 74,6 bilhões, com crescimento de 19% sobre o ano anterior.

Na avaliação de Lavieri, os bancos se saíram bem porque começaram o ajuste das carteiras de crédito antes de a crise começar. Com isso, estavam mais ajustados quando a turbulência começou.

Entre os bancos, o Itaú Unibanco foi a instituição com maior lucratividade (R$ 24,9 bilhões), seguido pelo Bradesco (R$ 19 bilhões). O que chama atenção, diz Einar, foi o desempenho do Itaú, cujo o lucro cresceu apenas 4,2%.

"O ritmo de crescimento do lucro do Itaú foi aquém dos gigantes do setor." A surpresa positiva, segundo ele, foi o Santander, que teve avanço de 52% nos ganhos.

Depois dos bancos, energia elétrica e telecomunicações foram setores que ocuparam a segunda e terceira posição entre os mais lucrativos.

LEIA MAIS: Em 2018, lucro dos grandes bancos passa de R$ 73 bi

No polo oposto, o grande destaque negativo em 2018 foi a construção civil. O setor acumulou R$ 2,83 bilhões de prejuízo, contra R$ 3 bilhões de déficit no ano anterior.

O maior rombo foi registrado pela Mendes Júnior. A empresa fechou o ano passado com um rombo de R$ 1,1 bilhão. A construtora ocupou a terceira posição no ranking das companhias abertas com os maiores resultados negativos no ano passado. Quem liderou a lista foi a BRF, com prejuízo de R$ 4,4 bilhões, seguida pela Minerva (R$ 1,2 bilhão), ambas de alimentos.

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas