Grupo de logística avança sobre rivais regionais

Sequoia, uma das maiores empresas de logística e armazenagem do varejo online, partiu para a aquisição de concorrentes

Estadão Conteúdo
28/Jun/2019
  • btn-whatsapp
Grupo de logística avança sobre rivais regionais

Mais do que convencer o consumidor a gastar dinheiro, o desafio do comércio eletrônico é um só: entregar a compra no menor prazo e custo possível.

Com o objetivo de resolver esse problema, a Sequoia, uma das maiores empresas de logística e armazenagem do varejo online do País, aumentou seu apetite e partiu para a aquisição de concorrentes regionais.

Controlada pelo fundo americano Warburg Pincus desde 2014, a companhia gastou R$ 100 milhões com compras este ano. Em janeiro, adquiriu a TexLog, líder de entregas no Rio de Janeiro.

Esta semana, fechou a compra da líder de logística no segmento de e-commerce no Nordeste. O nome da empresa, porém, só será divulgado após a aprovação do negócio pelos órgãos de defesa da concorrência.

"Continuamos olhando o mercado em busca de novas oportunidades para reforçar a presença no last mile (termo em inglês para designar o trecho final da entrega)", afirma Armando Marchesan Neto, presidente da Sequoia.

LEIA MAIS: Rappi recebe maior aporte latino

Segundo ele, a empresa já armazenava e transportava encomendas do comércio online no Nordeste, mas com a aquisição, aumenta a capilaridade na região e chega até o Norte. A partir de agora, a companhia passa a ter presença em todo o País. 

A Sequoia entrega 2 milhões de encomendas por mês, das quais 5% no mesmo dia. Entre seus 78 clientes estão marcas como Lojas Renner, C&A, Camicado, Luiza, Amazon, Natura e Nespresso, entre outros.

Com as aquisições, Marchesan diz que o faturamento da empresa deve crescer neste ano 80% e atingir R$ 800 milhões, depois de ter aumentado 20% em 2018. Para 2020, a expectativa é faturar mais R$ 1 bilhão, por conta dos novos clientes e contratos assinados.

O crescimento na casa de dois dígitos pode parecer estranho, enquanto a economia brasileira patina. Mas Marchesan explica que a companhia está "na cola" do comércio eletrônico.

O varejo online no País representa menos de 5% das vendas totais do comércio, mas continua acelerando. O crescimento do setor, em 2018, foi de 15%, porcentual que deve se repetir este ano.

LEIA MAIS: Consumo digital avança velozmente, mas enfrente obstáculos estruturais

Cesar Meireles, diretor da Associação Brasileira de Operadores Logísticos (Abol), que reúne 31 companhias do setor, diz que o trecho final da entrega é o maior desafio da área, especialmente pela falta de infraestrutura do País. "A última milha pode representar 60% do custo do frete", diz. 

Segundo ele, há um movimento de consolidação das companhias logísticas como um todo, não só no segmento de comércio eletrônico. Esse movimento deve continuar e ocorre para promover ganhos de escala e redução dos custos de operação.

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas