Gnet, do Santander, avança entre grandes do varejo

A GetNet se consolidou na terceira posição -atrás da Rede (do Itaú) e da Cielo (parceria entre Bradesco e Banco do Brasil) - por ter entrado nas concorrências oferecendo aos lojistas serviços bancários

Estadão Conteúdo
28/Mai/2016
  • btn-whatsapp
Gnet, do Santander, avança entre grandes do varejo

A credenciadora GetNet, empresa do banco Santander que captura e processa pagamentos com cartões de débito e crédito, ganhou espaço em um mercado dominado por Cielo e Rede.

A estratégia do negócio é ter preço competitivo e agregar serviços bancários à máquina de cartões. A GetNet conseguiu ampliar sua participação de mercado no setor de 8% para 9% entre o ano passado e o fim de março - com isso, conseguiu se aproximar do cumprimento de uma antiga meta: deter 10% do setor no País.

COUTINHO, PRESIDENTE DA GNET

Em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, o presidente da GetNet, Pedro Coutinho, disse que não é só o preço baixo que explica a expansão da companhia.

Segundo ele, a GetNet se consolidou na terceira posição - atrás da Rede (do Itaú) e da Cielo (parceria entre Bradesco e Banco do Brasil) - por ter entrado nas concorrências de grandes clientes, com a vantagem de oferecer aos lojistas serviços bancários agregados à máquina.

Entre as novas contas que a GetNet ganhou recentemente estão Walmart, Estapar, Zara, Cencosud, Pague Menos e Magazine Luiza. Enquanto isso, a Cielo admitiu que perdeu clientela no primeiro trimestre, em meio ao acirramento da concorrência.

LEIA MAIS: O que a Visa está fazendo para sobreviver

A GetNet cresceu mais do que as líderes de mercado no primeiro trimestre - é preciso lembrar, porém, que sua base é bem menor do que a das rivais.

O volume financeiro movimentado pela GetNet chegou a R$ 22,8 bilhões, alta de 24% em relação ao mesmo período do ano passado.

A Cielo capturou R$ 139,5 bilhões em transações de cartões de crédito e débito, com expansão de 10,2% em um ano. A Rede ampliou seu volume em 1,95%, para R$ 92,9 bilhões, na mesma comparação.

A participação da GetNet deve crescer mais, na opinião do presidente da empresa, à medida que o segmento se torne totalmente aberto, colocando um ponto final nas reservas de mercado - o que deve acontecer até o início de 2017. “Isso dará uma cara nova para o segmento em termos de competitividade”, avalia Coutinho.

LEIA MAIS: A revolução digital vai matar o cartão de plástico?

O mercado de credenciamento se abriu para concorrentes em 2010. No entanto, algumas bandeiras de cartões como Hiper (do Itaú), Elo (de Bradesco, BB e Caixa) e Amex permaneceram fechadas.

Como regulador, o Banco Central passou a exigir não só a abertura dessas bandeiras, mas também que houvesse a adoção do modelo denominado “full adquirência” - o que permitirá que todas as empresas possam processar e liquidar operações, etapas hoje restritas à Cielo e à Rede.

A GetNet, segundo Coutinho, já está capturando todas as bandeiras em seus quase 400 mil clientes. Desde o ano passado, passou a registrar as operações de Hiper, Elo e Amex e, há cerca de dois meses, passou a aceitar também Alelo e Ticket.

DESEMPENHO

Sobre o desempenho do mercado de cartões, o presidente da GetNet acredita que o setor pode voltar a crescer dois dígitos no ano que vem, caso as medidas de ajuste fiscal e econômico do governo interino sejam tomadas até o fim de 2016. Neste ano, porém, deve avançar menos de 10%.

Quanto a aquisições, Coutinho admite que o Santander olhou a Elavon, mas que optou por não seguir adiante com o negócio, como também fizeram Bradesco e BB.

No fim, o ativo foi levado pela Stone Pagamentos, que teria desembolsado R$ 1 e assumido cerca de R$ 300 milhões em patrimônio líquido negativo. “Não fez sentido para nós. O custo-benefício de uma integração não valeria a pena”, justifica o executivo.

O Santander comprou o controle da GetNet, pela qual desembolsou mais de R$ 1 bilhão, há pouco mais de dois anos. Desde 2010, porém, já atuava com a empresa gaúcha na captura e processamento de transações com cartões.

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas