Gastronomia brasileira rende negócios na França

Com ingredientes como raízes da floresta amazônica, tucupi preto, puxuri, tapioca hidratada e leite de coco, o Brasil participou do maior concurso da alta gastronomia mundial: o Bocuse d’Or

Agência Brasil
15/Fev/2019
  • btn-whatsapp
Gastronomia brasileira rende negócios na França

O Brasil esteve entre os 24 finalistas da competição, que reuniu o melhor da culinária mundial no final do mês passado. Para demonstrar que os sabores brasileiros podem agradar diferentes tipos de paladar, os cozinheiros da equipe brasileira e um time estrelado elaboraram receitas inéditas e interagiram com o público.

LEIA MAIS: Parceria com chef estrelado salva pequeno produtor da ruína

Ao mesmo tempo em que os chefs participavam da competição, a poucos metros de onde a equipe comandava facas e panelas, dez empresas brasileiras mostravam o diferencial dos ingredientes nacionais para a alta gastronomia aos cerca de oito mil compradores internacionais na Sirha –principal feira internacional para profissionais de food service e hotelaria – em que as melhores companhias do mundo disputam a atenção dos consumidores.

Com sucesso de público em cada apresentação dos chefs, as empresas brasileiras estimam que os contatos de negócios feitos no Bocuse d’Or devam render cerca de US$ 4,5 milhões ao país nos próximos 12 meses.

“O mais importante é fazermos os contatos. A cada evento, os clientes vão provando, conhecendo as diversas formas de usar os produtos, e se encantando aos poucos com os ingredientes que oferecemos”, explica Fernando Arruda, gerente de Exportação de uma empresa que levou para a competição a tapioca hidratada, um dos produtos mais requisitados por quem buscava novidades, junto com o açaí, as polpas de fruta e os alimentos cozidos e embalados a vácuo.

“O Brasil já é um grande exportador de alimentos, mas agora queremos aumentar as vendas internacionais de produtos com valor agregado. Esta é a primeira vez que o Brasil participa da vertente de negócios da Sirha com resultados muito bons”, explicou Camila Meyer, analista de Negócios da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Segundo Camila, ações como esta, para públicos especializados, servem não só para mostrar a gastronomia brasileira, mas também para provar que os ingredientes diferenciados podem transformar pratos tradicionais em "algo único".

LEIA MAIS: Henrique Fogaça -dos lanches de rua ao júri do MasterChef

A Apex apoiou os chefs que representaram o Brasil no concurso e organizou a participação das empresas brasileiras no evento. A próxima edição da feira ocorrerá em janeiro 2021, sempre em Lyon, na França, que é um dos principais centros da gastronomia mundial, com presença brasileira já confirmada.

“A diversidade de clima e biomas que o Brasil possui faz com que nós, cozinheiros, possamos contar com um manancial fantástico de produtos diferenciados para que o Brasil leve às mesas do mundo inteiro essa riqueza de sabores que temos a oferecer”, disse o chef Guga Rocha, que preparou um prato de mandioquinha com feijão, castanha de caju, salada de folhas e um toque de vinagre aromatizado com frutas amazônicas no estande do Brasil.

FOTO: Divulgação/ApexBrasil/Vincent Poillet

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas