Faturamento avança em junho, mas indústria perde dinamismo, diz CNI

Os índices de rendimento médio real, massa salarial real e horas trabalhadas recuaram, ainda que de forma moderada

Estadão Conteúdo
03/Ago/2023
  • btn-whatsapp

O faturamento na indústria registrou avanço em junho, mas o recuo nos demais indicadores reforçam a perda de dinamismo do setor em 2023, observa a Confederação Nacional da Indústria (CNI), que divulgou os Indicadores Industriais nesta quinta-feira, 3/8.

"Os índices de rendimento médio real, massa salarial real e horas trabalhadas na indústria recuaram em junho, ainda que de forma moderada, enquanto o emprego na indústria se manteve estável. Já a utilização da capacidade instalada permanece em trajetória de queda, conforme observado desde 2021. O indicador de faturamento real da indústria de transformação, por outro lado, avançou no mês", observa o relatório.

A CNI ainda pondera sobre os sinais de desaceleração do setor que levam a uma queda no acumulado do ano do faturamento real. Em junho, o faturamento real da indústria de transformação avançou 1% ante maio e apresentou estabilidade na comparação com o mesmo mês de 2022.

Intercalando resultados positivos e negativos desde o final do ano passado, "as altas registradas não conseguem reverter completamente os movimentos de queda, de forma que o faturamento passa a acumular recuo", diz a CNI.

No primeiro semestre, o faturamento do setor foi 0,2% menor do que no mesmo período de 2022. As horas trabalhadas na produção industrial em junho recuaram 0,2% em relação ao mês anterior. No acumulado do primeiro semestre de 2023, houve avanço de 0,8% na comparação com o ano anterior.

No caso do emprego industrial, o indicador permaneceu estável na passagem de maio para junho. "No ano, a série vem intercalando recuos e avanços, com uma sinalização de perda de dinamismo, uma vez que os recuos se mostram mais intensos. Apesar disso, a série ainda se encontra em patamar superior ao observado em 2022", diz a CNI.

O indicador do primeiro semestre registra alta de 0,8% na comparação com o mesmo período de 2022. A massa salarial registrou leve recuo de 0,1% em junho ante maio. "O indicador registrou recuo em quatro dos seis primeiros meses do ano, sinalizando uma trajetória de perda de dinamismo", aponta o documento.

Apesar dos recuos, o saldo do primeiro semestre é de avanço de 4,3% ante o mesmo período do ano anterior.

O rendimento médio real também recuou 0,1% em junho, na comparação com maio. O indicador registrou queda em cinco dos seis primeiros meses do ano, insuficientes para conter o forte avanço observado em abril, quando o indicador cresceu 2,8%.

No acumulado dos seus primeiros meses de 2023, a série histórica avançou 3,5% em relação a 2022. A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) da indústria chegou a 78,7% em junho de 2023, um recuo de 0,3 ponto porcentual (p.p.) em relação ao resultado de maio.

 

IMAGEM: Agência Brasil

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas