Entenda como o metaverso vai invadir o varejo

Empresas, consumidores e a indústria do entretenimento olham para esse conceito como sucessor da internet móvel. Lojas, escritórios e outros ambientes perderão suas limitações espaciais

Mariana Missiaggia
21/Set/2021
  • btn-whatsapp
Entenda como o metaverso vai invadir o varejo

Imagine passear e interagir com amigos. Sentar-se ao redor de uma mesa de reunião. Tomar café em sua cafeteira preferida. Coisas que parecem tão triviais, porém, feitas num espaço diferente e por meio de avatares digitais.

Parece loucura, mas não é. A integração de tantas tecnologias, como 5G e realidade aumentada, e a usabilidade disso tudo em nosso dia a dia converge cada vez mais para a expansão da tela para o mundo físico. E assim, se materializa a criação de um novo universo - o metaverso. 

Cada vez mais em pauta, o conceito expande nossas possibilidades com novas dimensões de tempo e espaço. Por isso, a interação de espaços virtuais com espaços físicos é uma realidade em ascensão - e um ponto de discussão recorrente entre startups e gigantes da tecnologia.

Embora ainda pareça um tanto vago, algumas peças do metaverso já existem. Jogos de realidade aumentada, como o Pokemon Go e o Fortnite, um jogo on-line no qual os usuários podem socializar e construir mundos virtuais com milhões de outros jogadores, podem dar ao mundo uma noção inicial do metaverso.

Acompanhar a movimentação de marcas que tentam lidar com essa nova realidade pode ser uma forma de entender como esse novo universo pode de fato somar nas experiências do mundo físico e vice-versa.

Um exemplo bem simplificado para começar a entender essa perspectiva é a utilização de filtros no Instagram. Por lá, pessoas podem parecer extraterrestres, supermaquiadas, animais ou até personagens - é como se cada um brincasse de criar a forma como quer apresentar a sua figura digital.

Fáceis de usar, esses filtros viralizam e levam milhares de pessoas a brincar com eles para também fazer parte daquele movimento. 

Um comportamento que nos leva a crer que de fato, daqui para a frente, as linhas entre digital e real ficarão ainda mais difíceis de serem delineadas.

O Projeto Aria, do Facebook, por exemplo, se dedica a encontrar formas para que as tecnologias de realidade aumentada e realidade virtual possam ser comercializadas em grande escala. Outras gigantes de tecnologia, como Google, Amazon e Apple, também já anunciaram que estão trabalhando em produtos nesse sentido.

Levando essa tendência para a prática, temos a L'Oréal, que lançou a sua primeira coleção 100% virtual há menos de um ano. Chamada Signature Faces. A novidade permite que as clientes utilizem sombras e batons da linha nas redes sociais e também em plataformas de videoconferência, como o Zoom e o Google Chat.

O Google também avançou nessa frente. Uma nova funcionalidade na sua ferramenta de busca libera ao usuário testes ao vivo ao abrir a câmera frontal do celular quando o usuário digita o nome de algum produto cadastrado no sistema. Marcas como Estée Lauder, MAC e Charlotte Tilbury são algumas das adeptas.

Na China, por exemplo, a Tmall Luxury Pavilion, do Alibaba, reúne 200 marcas de luxo que já realizam vendas por meio de recursos de games, personalização, live streaming, realidade aumentada, revistas digitais e outros formatos interativos.

No Brasil, o formato que mais tem sido explorado pelas empresas é o live streaming - tema forte em conferências importantes sobre varejo, como a NRF. Muitas marcas já impulsionam seus resultados comerciais aderindo a lives.

Considerado um canal com altas taxas de conversão, vale lembrar que é preciso investir. A escolha de um influenciador ou apresentador que conduzirá essa jornada é bem relevante para que o conteúdo e roteiro da transmissão criem um perfeito storytelling, que será reforçado pelo cenário, luz, estrutura, edições e links personalizados. 

O importante é reproduzir algo mais próximo possível da realidade - ou seja, com a propriedade de um vendedor que domine o produto em uma conversa que flui de forma natural, próxima e real - sem roteirização.

Embora esse metaverso ainda não esteja pronto, a construção se dá dia a dia e a expectativa é que cada vez mais diversas iniciativas nas áreas de games, consumo, entretenimento e outras se agreguem em um grande ecossistema global, formando, assim, o metaverso ou diversos metaversos.

Antecipar ações e planejar como a marca estará nesse futuro é importante, especialmente, após o período pandêmico ter mostrado que muitas marcas ainda não estavam preparadas para ações digitais, como delivery e e-commerce. Em teoria, a lógica do metaverso é a mesma.

 

FOTO: Freepik

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas