Entenda como o metaverso vai invadir o varejo

Empresas, consumidores e a indústria do entretenimento olham para esse conceito como sucessor da internet móvel. Lojas, escritórios e outros ambientes perderão suas limitações espaciais

Mariana Missiaggia
21/Set/2021
  • btn-whatsapp
Entenda como o metaverso vai invadir o varejo

Imagine passear e interagir com amigos. Sentar-se ao redor de uma mesa de reunião. Tomar café em sua cafeteira preferida. Coisas que parecem tão triviais, porém, feitas num espaço diferente e por meio de avatares digitais.

Parece loucura, mas não é. A integração de tantas tecnologias, como 5G e realidade aumentada, e a usabilidade disso tudo em nosso dia a dia converge cada vez mais para a expansão da tela para o mundo físico. E assim, se materializa a criação de um novo universo - o metaverso. 

Cada vez mais em pauta, o conceito expande nossas possibilidades com novas dimensões de tempo e espaço. Por isso, a interação de espaços virtuais com espaços físicos é uma realidade em ascensão - e um ponto de discussão recorrente entre startups e gigantes da tecnologia.

Embora ainda pareça um tanto vago, algumas peças do metaverso já existem. Jogos de realidade aumentada, como o Pokemon Go e o Fortnite, um jogo on-line no qual os usuários podem socializar e construir mundos virtuais com milhões de outros jogadores, podem dar ao mundo uma noção inicial do metaverso.

Acompanhar a movimentação de marcas que tentam lidar com essa nova realidade pode ser uma forma de entender como esse novo universo pode de fato somar nas experiências do mundo físico e vice-versa.

Um exemplo bem simplificado para começar a entender essa perspectiva é a utilização de filtros no Instagram. Por lá, pessoas podem parecer extraterrestres, supermaquiadas, animais ou até personagens - é como se cada um brincasse de criar a forma como quer apresentar a sua figura digital.

Fáceis de usar, esses filtros viralizam e levam milhares de pessoas a brincar com eles para também fazer parte daquele movimento. 

Um comportamento que nos leva a crer que de fato, daqui para a frente, as linhas entre digital e real ficarão ainda mais difíceis de serem delineadas.

O Projeto Aria, do Facebook, por exemplo, se dedica a encontrar formas para que as tecnologias de realidade aumentada e realidade virtual possam ser comercializadas em grande escala. Outras gigantes de tecnologia, como Google, Amazon e Apple, também já anunciaram que estão trabalhando em produtos nesse sentido.

Levando essa tendência para a prática, temos a L'Oréal, que lançou a sua primeira coleção 100% virtual há menos de um ano. Chamada Signature Faces. A novidade permite que as clientes utilizem sombras e batons da linha nas redes sociais e também em plataformas de videoconferência, como o Zoom e o Google Chat.

O Google também avançou nessa frente. Uma nova funcionalidade na sua ferramenta de busca libera ao usuário testes ao vivo ao abrir a câmera frontal do celular quando o usuário digita o nome de algum produto cadastrado no sistema. Marcas como Estée Lauder, MAC e Charlotte Tilbury são algumas das adeptas.

Na China, por exemplo, a Tmall Luxury Pavilion, do Alibaba, reúne 200 marcas de luxo que já realizam vendas por meio de recursos de games, personalização, live streaming, realidade aumentada, revistas digitais e outros formatos interativos.

No Brasil, o formato que mais tem sido explorado pelas empresas é o live streaming - tema forte em conferências importantes sobre varejo, como a NRF. Muitas marcas já impulsionam seus resultados comerciais aderindo a lives.

Considerado um canal com altas taxas de conversão, vale lembrar que é preciso investir. A escolha de um influenciador ou apresentador que conduzirá essa jornada é bem relevante para que o conteúdo e roteiro da transmissão criem um perfeito storytelling, que será reforçado pelo cenário, luz, estrutura, edições e links personalizados. 

O importante é reproduzir algo mais próximo possível da realidade - ou seja, com a propriedade de um vendedor que domine o produto em uma conversa que flui de forma natural, próxima e real - sem roteirização.

Embora esse metaverso ainda não esteja pronto, a construção se dá dia a dia e a expectativa é que cada vez mais diversas iniciativas nas áreas de games, consumo, entretenimento e outras se agreguem em um grande ecossistema global, formando, assim, o metaverso ou diversos metaversos.

Antecipar ações e planejar como a marca estará nesse futuro é importante, especialmente, após o período pandêmico ter mostrado que muitas marcas ainda não estavam preparadas para ações digitais, como delivery e e-commerce. Em teoria, a lógica do metaverso é a mesma.

 

FOTO: Freepik

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas