Empresários temem frustração com reforma da Previdência

"Apoio do Congresso se mostrou frágil e a aprovação da reforma, mais difícil do que se imaginava”, afirma Antonio Carlos Pipponzi (foto), presidente do IDV

Estadão Conteúdo
31/Mar/2019
  • btn-whatsapp
Empresários temem frustração com reforma da Previdência

Três meses após o início do governo de Jair Bolsonaro (PSL), o voto de confiança do empresariado na aprovação reforma da Previdência, que era irrestrito, passou a ser relativo.

O jornal O Estado de S.Paulo conversou com mais de uma dezena de executivos e donos de empresas que renovaram o apoio ao texto do governo.

No entanto, eles temem que o Executivo não tenha condições de angariar votos suficientes para aprovar as mudanças necessárias para que o País volte a atrair investimentos e retome o crescimento.

O apoio à proposta continua firme, mas há frustração com a paralisia em Brasília. “Há uma preocupação empresarial com essa crise institucional”, diz Pedro Passos, acionista da Natura, referindo-se ao bate-boca entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na semana passada.

Para Flávio Rocha, dono da Riachuelo e um dos líderes do Instituto Brasil 200, o governo precisa abandonar o tom belicoso da campanha de 2018. “Agora é preciso aglutinar todos a favor da reforma.”

Outro aliado do governo, o dono da varejista Havan, Luciano Hang, diz que deputados e senadores precisam ter clareza da gravidade da situação:  “Sem a reforma da Previdência, o Brasil quebra. E ninguém vai querer investir em um país quebrado.”

Hang afirma esperar a aprovação da reforma para colocar em pé investimentos de R$ 3 bilhões até 2022 para expansão de sua rede. No fim do ano passado, havia anunciado aporte de R$ 500 milhões para 2019.

A união em torno da reforma da Previdência é vital, na visão de Pedro Wongtschowski, presidente do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), para que o País passe a oferecer algo que não conseguiu estabelecer nos últimos anos: a sensação de previsibilidade da política econômica.

“Ainda não está claro como seguirá a relação entre Executivo e Legislativo. A aprovação relâmpago da PEC do orçamento impositivo deixou evidente a desarticulação do governo.”

O presidente da gigante da celulose Suzano, Walter Schalka, diz ter sido bombardeado na semana passada por investidores chineses e americanos sobre a crise. “O Brasil precisa de novos investimentos. Quem ainda não está aqui, não vai colocar dinheiro no País agora diante dessas incertezas.”

Segundo Antônio Carlos Pipponzi, acionista da Raia Drogasil e presidente do Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV), a bolha de euforia criada pela escolha da equipe econômica – capitaneada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes – foi furada pela dificuldade de articulação do governo no Congresso.

“Existe uma frustração, pois o apoio do Congresso se mostrou frágil e a aprovação da reforma, mais difícil do que se imaginava”, afirma.

FOTO: Edilson Rodrigues/Agência Senado

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas