Empório no centro atrai clientes com preços promocionais

O Datavenia, de Claudinei Santos (foto), vira atração com promoções de artigos importados. A loja funciona onde antes era uma agência do Banco Nacional e ostenta uma obra de arte do pintor Clóvis Graciano

Wladimir Miranda
23/Out/2017
  • btn-whatsapp
Empório no centro atrai clientes com preços promocionais

No local, já funcionou uma agência do Banco Nacional, que sofreu intervenção do Banco Central e encerrou as atividades em 1995.

Quem entra no estabelecimento, tem a atenção despertada pelo painel “Desembarque dos colonizadores e subida da serra”, do artista plástico Clóvis Graciano, em 1962.

Pintada a óleo e cera virgem, a obra retrata momentos da colonização e fundação de São Paulo.

 

PAINEL DE CLÓVIS GRACIANO NO INTERIOR DA LOJA

Mas é logo na porta que estão os cartazes com as promoções que levam muita gente para dentro da loja. Em tempos de crise, o empório Datavenia, na Rua Senador Paulo Egídio,70, só trabalha com artigos importados. E com preços bem abaixo do mercado.

O sucesso das promoções veio rápido. O Datavenia começou a funcionar nos moldes atuais há quatro meses. Antes, no local funcionava uma franquia da Rede La Rioja.

O pouco tempo de funcionamento, no entanto, não foi um obstáculo. O estabelecimento já desperta o interesse dos clientes.

Muitos deles já não vão à Rua Santa Rosa, na zona cerealista, no Parque D. Pedro, também na região central, e não muito distante dali, em busca de mercadoria mais barata.

O Datavenia preenche totalmente suas necessidades. Claudinei de Almeida Campos, 47 anos, um dos sócios, compra direto de importadores e cerealistas.

“Os importadores têm dificuldades de vender para grandes supermercados, então preferem vender para lojas pequenas como a minha. Importadores e cerealistas têm muita mercadoria que está com a data de validade a vencer. Por exemplo, compramos chocolates, biscoitos, geleias, patês, conservas, todos produtos importados.

Então, vendemos aqui pela metade do preço”, diz Claudinei.

Quem vem do Largo de São Francisco e entra na rua Senador Paulo Egídio percebe os cartazes convidativos: massa italiana a R$ 3,60 o pacote, molho italiano, tomates sem pele, a R$ 1,99, arroz Arbório, especial para fazer risoto, a R$ 7,90 o quilo, chocolate italiano, marca Perugina, a R$ 7,90, geleia importada, argentina, a R$ 5,90 o pote, de 450 gramas.

O nome da casa é uma homenagem à região, pródiga em escritórios de advocacia e vizinha à tradicional Faculdade de Direito do Largo de São Francisco.

Claudinei comprou o estabelecimento de Salvador Issa Gonzalez, cerealista, que comercializava os produtos da La Rioja.

“Dei 24 promissórias para ficar com a loja. O negócio está indo bem, mas tive de resolver tantas questões aqui que atraso todos os meses para fazer os pagamentos”, afirma ele, que tem um sócio, Murilo Lebre Travassos Júnior, e não gosta de falar quanto fatura mensalmente.

O comerciante diz que os cartazes na porta anunciando mercadorias com preços bem abaixo do mercado, são um chamariz e tanto. “O varejista tem de ter um chamariz em seu estabelecimento”, ensina.

Ele não tem do que se queixar também da venda de vinhos.

“Estamos vendendo muito vinho”, festeja. O vinho mais caro da Datavenia é o Lota, chileno, que sai por R$ 1 mil. A próxima tacada de Claudinei será colocar mesinhas na calçada em frente à loja. Disse que já enviou toda a documentação necessária para a prefeitura.

“Com as mesinhas, vamos incrementar a venda de queijos. O cliente vai ficar na mesinha comendo bons sanduíches, frios, acompanhados por um bom vinho. Percebo que as pessoas vêm para cá após o almoço. A ideia é que elas façam suas refeições aqui”, planeja.

Para que o consumidor não se assuste com o preço do vinho, Claudinei lembra que lá tem vinhos a R$ 19,90, “dos bons”.

Claudinei de Almeida Campos, 47 começou como vendedor na zona cerealista em 88.

“Vim para o centro preocupado. Tinha outra impressão do centro. Achava que eu só iria encontrar pessoas drogadas (nóias) aqui. Vim pensando nisto. Me surpreendi. A loja aqui tem quatro meses. É bem melhor do que a que tenho em Moema. Aqui eu pego da classe A à Z, no mesmo ambiente. Estou pensando até em abrir outra no centro. E fechar a de Moema”, afirma Claudinei.

Antes de comprar a loja, Claudinei diz que avaliou o cenário.

“Falavam que a loja só vendia café. Hoje o café diminuiu. E o restante aumentou tudo. Vendo muito vinho, fruta seca. Vinhos e frios com preços de prateleira. A loja diminuiu a venda de café porque tem fila no caixa na hora do pagamento. Estou feliz no centro. A loja atende desembargadores e garis. No mesmo caixa. O gari vem pelas promoções da porta”, conta ele.

Claudinei nasceu e foi criado na Mooca, na Zona Leste de São Paulo. Hoje mora em Moema, na Zona Sul.

LEIA MAIS: Quem consegue concorrer com o arraso da Vovó Zuzu?

Diz que seu hobby é o trabalho.

“Fico na loja até ás oito da noite. Depois, vou para casa e tomo, todos os dias, uma garrafa de vinho. Gosto do vinho chileno Tarapacá. Às sextas-feiras tomo duas garrafas. E caminho todos os dias no Parque do Ibirapuera”, diz.

Separado, é pai de dois filhos: Lucas, de 16, e Isabela, de 12 anos. Dentro do estabelecimento, as duas lembranças de quando o local era uma agência do Banco Nacional, são o painel de Clóvis Graciano e um cofre, que hoje é usado como depósito de cervejas.

O empório tem muita variedade. São seis mil itens, entre bebidas (vinhos, whiskies, cervejas, proseccos, champanhes, cachaças, licores, sucos e águas).

Há também espaço para os enlatados, azeites, queijos, frios em geral, pastas, massas, patês, geleias, biscoitos, condimentos, castanhas e frutas secas.

O café é bastante concorrido. Mas o cliente tem à disposição frios fatiados, azeitonas, alcaparras, tomates secos e tremoços, por quilo. Para breve há planos de fazer na loja degustações de vinhos e de outros produtos.

FOTO: Wladimir Miranda/Diário do Comércio 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas