Em julho, emprego na indústria cai 1,3%

Faturamento também registrou recuo maior, de 3,8%, segundo a CNI

Estadão Conteúdo
03/Set/2018
  • btn-whatsapp
Em julho, emprego na indústria cai 1,3%

O emprego na indústria voltou a cair em julho, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (03/09), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). As vagas de trabalho no setor caíram 1,3% em relação a junho, já descontados os efeitos de calendário.

"Com a nova queda, o emprego acumula um recuo de 4,3% desde maio, mês da crise dos transportes", considerou o documento.

Ainda assim, o nível de emprego da indústria brasileira em julho foi 0,4% superior ao registrado no mesmo mês de 2017. Considerando o período de janeiro a julho de 2018, o emprego na indústria também foi 0,4% maior que o acumulado no mesmo período do ano passado.

Apesar da piora no emprego em julho, a massa salarial real dos trabalhadores da indústria cresceu 0,4% em relação a junho. Na comparação com julho de 2017, porém, a massa de salários paga na indústria caiu 2,9%. Considerando o período de janeiro a julho de 2018, houve um recuo de 1,0% na massa salarial em relação aos sete primeiros meses do ano passado.

O rendimento médio dos trabalhadores do setor ficou praticamente estável em julho, com redução de 0,1% em relação a junho. Ainda assim, a renda média dos funcionários das fábricas em julho foi 3,2% menor que a do mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano, o rendimento médio recuou 1,4% ante o mesmo período de 2017. 

FATURAMENTO TAMBÉM CAI 

O faturamento industrial teve forte recuo em julho, de acordo com dados divulgados pela CNI. Na comparação com o mês anterior - e excluindo os efeitos de calendário -, as vendas das fábricas brasileiras caíram 3,8% no sétimo mês deste ano.

Ainda assim, o volume faturado em julho pelo setor foi 6,8% maior que ao registrado no mesmo mês de 2017. Considerando as vendas de janeiro a julho de 2018, o desempenho foi 5,0% superior ao do mesmo período do ano passado.

"A retração confirma o padrão oscilante da atividade industrial nos sete primeiros meses de 2018, sobretudo após a crise dos transportes rodoviários", considerou a CNI, no documento.

Além do menor faturamento, houve redução na quantidade de horas trabalhadas na indústria em julho, com queda de 2,4% em relação a junho. Esse foi o quarto mês consecutivo de recuo no indicador.

Em relação a julho de 2017, no entanto, houve um aumento de 0,3% nas horas trabalhadas. No acumulado de 2018 até julho, o tempo de trabalho na produção foi 0,7% maior que o verificado no mesmo período do ano passado.

Em julho, a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) no parque industrial brasileiro evoluiu 0,6 ponto porcentual, passando de 76,7% para 77,3% (de acordo com dado ajustado). Em julho de 2017, a UCI estava em 77,4%.

"Para os empresários, as incertezas em relação ao resultado das eleições e também as turbulências da economia internacional turvam o horizonte da economia e dificultam uma recuperação mais expressiva da atividade industrial", afirmou o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas