É preciso simplificar e agilizar o Judiciário

Chocante nos meios empresariais, daqui e de fora, foi a intervenção na venda de importante ativo da Petrobras que forneceria preciosos R$ 8 bilhões ao seu debilitado caixa

Aristóteles Drummond
19/Jun/2019
  • btn-whatsapp

 

O poder Judiciário merece todo o respeito e consideração da sociedade. É parte do tripé que divide o país em três poderes, consolidando a democracia.

No entanto, é preciso lembrar: judiciário julga, não legisla. O que, infelizmente, tem ocorrido com grande frequência, causando prejuízos de toda natureza ao país.

Chocante nos meios empresariais, daqui e de fora, foi a intervenção na venda de importante ativo da Petrobras, empresa em fase de recuperação dos desmandos e que forneceria preciosos R$ 8 bilhões ao seu debilitado caixa.

Decisão de governo e da direção da empresa, que não justifica a intervenção de outro poder. Não era a desejada venda da própria Petrobras, mas de uma subsidiária integral.  Por fim prevaleceu o bom senso, mas com desgaste para o Brasil junto aos mercados pelo inusitado da desastrada decisão monocrática.

Já em dimensão menor, mas importante, a Justiça do Rio de Janeiro resolveu embargar a venda de um terreno da Santa Casa, no Caju, para o cemitério da comunidade israelita.

Os idosos residentes e tratados no chamado Socorrinho, ali instalado, já estavam protegidos com remoção para outro imóvel da entidade; não ficariam desamparados. A Santa Casa, como se sabe, atravessa grave crise e o terreno não tem nenhum uso significativo.

A sociedade como um todo até que gostaria que o Judiciário promovesse uma pequena reforma, acredito que de caráter interno dos tribunais, criando  câmaras específicas para julgar em tempo hábil os recursos provenientes de ações sobre lavagem de dinheiro, corrupção e improbidade administrativa.

Assim, afastaria a suspeita da população sobre eventuais privilégios aos que procrastinam com base em bons e influentes advogados. E caros!

O Judiciário sempre foi o poder mais discreto da República, trabalhando em silêncio pelas instituições. Mas os tempos mudaram, a sociedade está vigilante e aqui, como no resto do mundo, a impunidade do chamado “colarinho branco” está acabando.

Ainda assim, é preciso apressar o seu fim, simplificando, por um lado, e dando celeridade, por outro. E claro que evitando o abuso da vaidade, que anda beirando o ridículo.

Além da crise econômica e social, acrescentarmos a falta de confiança nas instituições que garantem a democracia seria um perigo muito grande.

É preciso uma solução, que, neste caso, independe de recursos financeiros. Basta vontade política e disposição dos responsáveis pelo país. O Congresso parece que acordou para esta realidade e está tocando projetos vitais  de maneira apartidária.

Uma pauta para os três poderes!

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio



 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas