Delivery é para todo tipo de negócio?

Cabeleireiro em casa, comida no escritório...a popularização do delivery atrai diferentes tipos de negócios, como a plataforma Adega, do Pão de Açúcar (foto)

Mariana Missiaggia
02/Jan/2019
  • btn-whatsapp
Delivery é para todo tipo de negócio?

O que antes era feito apenas por telefone, hoje também é possível ser realizado por sites e aplicativos.

No Brasil, o serviço conhecido como delivery é uma das atividades que mais cresceram nos últimos anos, segundo dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

Um levantamento da entidade mostra que o setor fechou 2017 com faturamento acima dos R$ 10 bilhões.

Especialistas afirmam que além da comodidade, os serviços de entrega foram turbinados pela crise –muitos brasileiros deixaram de comer fora de casa. Há também a necessidade de o varejo tradicional se diversificar.

O crescimento do mercado de entregas nos últimos anos também pode ser justificado pela popularização dos aplicativos que conectam muitas empresas aos consumidores de uma maneira muito cômoda.

O MUNDO DOS APPS

Em meio a isso tudo, novas tecnologias ganharam destaque no mercado, além de muitos adeptos. Com mais de 50 mil estabelecimentos cadastrados, o iFood recebeu um último aporte de R$ 1,9 bilhão de investidores que acreditam no potencial e no crescimento da modalidade no mercado brasileiro.

Com mais de 6,2 milhões de pedidos mensais e 5,1 milhões de usuários ativos, os estabelecimentos comerciais obtêm um incremento no movimento que varia de 25% a 30% ao oferecerem este tipo de serviço.

NEVES, DA AGUADOCE:
ADESÃO AO DELIVERY

Neste ano, a Água Doce Sabores aderiu ao aplicativo numa tentativa de tornar a marca digital. Hoje, 50% das 80 unidades da rede disponibilizam o serviço de entrega com opções de petiscos e pratos, que são servidos tradicionalmente nas unidades, como, por exemplo, o escondidinho.

Thiago Neves, diretor de novos negócios da Água Doce, diz que a adesão veio após a constatação de que a combinação dos aplicativos para pedido e entrega de comida segue em franco crescimento entre os consumidores brasileiros.

A decisão em investir nesta novidade deveu-se a que os aplicativos de delivery de restaurantes já exercem uma boa participação nas vendas de redes de franquias.

“Isso vem trazendo resultados positivos aos franqueados da rede e novas perspectivas ao negócio, o que faz aumentar  o faturamento das unidades”, diz.

DELIVERY PARA RESTAURANTES

Um estudo elaborado pelo Sebrae endossa a preferência dos consumidores por locais que ofereçam entrega em casa ou no escritório.

O levantamento concluiu que metade dos restaurantes e lanchonetes atendidos pela instituição em todo o Brasil oferece o serviço, com equipe própria, para dar mais comodidade ao cliente.

Ainda segundo a pesquisa, 12% não têm loja física, trabalhando exclusivamente por meio de entregas, sem portas abertas para a rua.

A Pesquisa Setorial ABF Food Service 2018, realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), também traz dados sobre a intensificação do uso de tecnologias de interação com o consumidor, nas quais estão listados os aplicativos.

Para ter uma ideia da representatividade: os investimentos em sistemas de delivery, por exemplo, terão subido de 72,7% no ano passado para 75% em 2018. Já em relação aos pedidos online terá havido um aumento de 50% para 70,6%. 

O QUE OS CLIENTES ESPERAM

REBETEZ: O CLIENTE VALORIZA?

Mesmo sustentando uma infinidade de números positivos, Jean Paul Rebetez, sócio-diretor da GS&Consult, indica que todo estabelecimento deve avaliar de forma individual sua entrada nesse tipo de serviço.

Isso porque a modalidade de entrega não funciona para todo tipo de negócio. Porém, Rebetez destaca que a conveniência faz sentido para diversas categorias. O que precisa ser bem analisado é a relação entre a comodidade do cliente e o custo do lojista.

A pergunta a ser feita, de acordo com o especialista é: o seu grupo de consumidores irá pagar por essa comodidade? O que eles esperam pelo preço que estão pagando?

“Entender a jornada do consumidor é um desafio. As necessidades podem variar ao longo do dia, portanto, é preciso saber medir bem a relação entre preço e urgência”, diz.

Rebetez cita o caso do Pão de Açúcar, que há poucos dias inaugurou uma loja exclusivamente dedicada à venda de vinhos – são mais de 700 rótulos de importação exclusiva.

O novo negócio, que também conta com uma plataforma batizada de Adega e um aplicativo, demandou um investimento aproximado de R$ 2 milhões.

Localizada na rua Augusta, nos Jardins, a unidade ainda disponibiliza o serviço de delivery, que promete entregas em até quatro horas para a capital paulista.

Para Rebetez, esse tipo de negócio exemplifica bem o atual momento do delivery no país. Embora esteja em alta, em alguns momentos o serviço de entrega é dispensado pelo consumidor que prefere ter seu momento de experiência.

Ou seja, o cliente poderá garimpar, descobrir novos rótulos, conversar com atendentes treinados, degustar uma novidade – coisas que o delivery não proporciona.

“Conveniência é a chave do sucesso. E nisso, entram aplicativos, delivery, facilidades de pagamento, compra sem atrito, ofertas variadas e processos simples e fáceis que deem fluidez ao consumidor”.

FOTOS: Divulgação

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas