Consumidor brasileiro é o mais conectado (e o mais desconfiado)

Apesar do tempo que gastam na internet ser superior ao da média global, ele é o mais preocupado com a veracidade do conteúdo e o uso dos seus dados, revela estudo da Kantar TNS

Karina Lignelli
08/Dez/2017
  • btn-whatsapp
Consumidor brasileiro é o mais conectado (e o mais desconfiado)

Passar um terço do dia (ou oito horas diárias) na internet, trabalhando, estudando, atualizando redes sociais ou, principalmente, pesquisando produtos, é uma prática comum do consumidor brasileiro –a média global é de cinco horas, aponta o estudo “Connected Life”, da Kantar TNS.

Mas, se a informação poderia se tornar uma espécie de oásis de oportunidades para os anunciantes, o varejo precisa ficar atento: apesar de ser o mais conectado, há uma divisão bastante clara na confiança que os brasileiros têm nas marcas dentro do ambiente digital.

LEIA MAIS: "Desafio das empresas é estar à frente dos clientes"

De acordo com o estudo, 52% deles acreditam que o conteúdo que eles veem nas redes sociais não é confiável. Outros 45% se preocupam com o controle das redes sociais sobre os seus feeds, e 54% ficam apreensivos com o nível de dados pessoais que as marcas têm sobre eles.

Pela avaliação dos especialistas da Kantar TNS, se por um lado os avanços da tecnologia procuram simplificar a vida desse consumidor, as pessoas se sentem cada vez mais distraídas e invadidas por eles.

Com isso, elas optam mais por privacidade do que por conveniência, diz Isabelle Rio-Lopes, vice-presidente de serviços para o cliente da consultoria de pesquisa.

“O desafio está em quebrar sua desconfiança e fazê-lo se aproximar das marcas sem que se sinta invadido”, afirma.

LEIA MAIS: Como evitar a fuga de clientes na hora da compra

Outro recorte mostra que o consumidor não quer ser “apenas mais um”: 53% dos entrevistados afirmaram que, na maioria das vezes, sabem que estão falando com robôs enquanto conversam com as marcas que operam online.

“O consumidor procura um atendimento personalizado: ele quer que as marcas entendam seus reais problemas e necessidades”, diz Maura Coracini, diretora executiva de mídia & digital da Kantar TNS.

Mas essa percepção está mudando aos poucos: a confiança no “social commerce”, ou seja, as compras realizadas por meio de redes sociais ou via dispositivos móveis. De acordo com o levantamento, 46% dos entrevistados preferem pagar tudo pelo celular, contra uma média global de 39%.

“Novas tecnologias, como os botões ‘comprar’ e os pagamentos móveis têm tornado o comércio eletrônico mais fácil entre os brasileiros”, conclui o estudo.

A seguir, confira alguns pontos do estudo em destaque: 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas