Confiança do consumidor aponta tendência de recuperação

Apesar do alto nível de desemprego, perspectiva com o fim da quarentena e do isolamento social é de que a economia vá retomando seu ritmo aos poucos, segundo o INC da ACSP

Karina Lignelli
14/Ago/2020
  • btn-whatsapp

Em julho, o Índice Nacional de Confiança do Consumidor (INC), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), esboçou uma leve reação: fechou em 79 pontos, ante 77 em junho.

Ainda que continue no campo do pessimismo (abaixo dos 100 pontos), o indicador pode sinalizar uma tendência de recuperação dos estragos na economia causados pela pandemia de covid-19.

Em março, o indicador apresentou recuo e ficou em 92 pontos, ante 98 em fevereiro. Daí para frente, seguiu em queda livre, chegando aos 85 pontos em abril, e 77 em maio e junho. O resultado remete aos níveis de outro período de crise, entre 2015 e 2017.

A ligeira alta em julho, porém, é basicamente centrada na melhora em relação às expectativas futuras das famílias pertencentes à classe C quanto ao crédito, renda e emprego nos próximos seis meses.

“Muitas esperam que, com o fim da quarentena e do isolamento social, a economia vá retomando seu movimento aos poucos”, afirma Ulisses Ruiz de Gamboa, economista da ACSP.

Outro indicador que mostra essa tendência de recuperação é o da situação financeira nos próximos seis meses: em julho, 39% dos consumidores consideraram que sua situação financeira vai ficar melhor ou um pouco melhor. No início da pandemia, esse número chegou a 32%.

Porém, apenas 23% se sentem confiantes a fazer compras de maior valor, como imóveis e carros, enquanto 33% têm mais confiança para adquirir itens para a casa, como móveis e eletrodomésticos.

Com o nível de desemprego ainda muito alto, de 13,3% no segundo trimestre, segundo o IBGE, as perspectivas do consumidor quanto à segurança financeira futura continuam baixas.

Pelo levantamento da ACSP, enquanto 60% dos entrevistados conhecem alguém que ficou desempregado nos últimos seis meses, 42% estão menos confiantes quanto à sua segurança no emprego, assim como à de familiares e de conhecidos neste momento.

Mas, apesar de a situação reverter, a princípio, o ímpeto de consumo, as projeções de recuo menor da economia, e em consequência, das vendas do varejo em 2020, indicam que a retomada deve começar pelos setores mais essenciais, segundo o economista da ACSP.

“A disposição ao consumo, por enquanto, continua focada em itens mais básicos, como alimentação e farmácia. Mas é bem vinda, pois sinaliza uma recuperação gradual.”

NOVA METODOLOGIA

Desde 2005, a ACSP, por meio do seu Instituto de Economia Gastão Vidigal, mede os índices de confiança do consumidor para antecipar o comportamento da atividade econômica e orientar o varejo na tomada de decisões.

Os economistas da ACSP, em parceria com a Behup, consultoria especializada em inteligência de dados, desenvolveram uma nova metodologia, mais moderna e abrangente, com entrevistas realizadas à distância, totalmente compatível com a anterior, utilizada até dezembro de 2019.

A pesquisa foi realizada com uma média de 1,5 mil entrevistados por mês, nas principais capitais do país, no Interior e no Litoral entre janeiro e julho de 2020.

Tal como o anterior, o INC da ACSP/Behup varia entre zero e 200 pontos, sendo que o intervalo de zero a 100 contempla o campo do pessimismo e, de 100 a 200, do otimismo. A margem de erro é de três pontos.

FOTO: Pixabay

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas