Comércio de SP deve ter o melhor Dia dos Pais desde 2015

Vendas devem chegar a R$ 2,15 bilhões, puxadas pelo setor de roupas e calçados, um dos que mais sofreram com a pandemia, de acordo com a CNC

Fátima Fernandes
05/Ago/2021
  • btn-whatsapp
Comércio de SP deve ter o melhor Dia dos Pais desde 2015

O faturamento do comércio paulista com o Dia dos Pais deve chegar a R$ 2,15 bilhões, o melhor resultado desde 2015, de acordo com a CNC (Confederação Nacional do Comércio).

Este valor representa 35,6% da venda em todo o país (R$ 6,3 bilhões) e um crescimento de 9,8% sobre o número de 2020 (R$ 1,96 bilhão) e de 7,5% sobre o de 2019 (R$ 2 bilhões).

Para alívio dos lojistas, um dos setores que mais sofreram com a pandemia, o de vestuário, deve ter o melhor desempenho neste Dia dos Pais.

A expectativa da CNC é que as vendas de roupas e calçados somem R$ 795,6 milhões, com participação de 37% de todo o faturamento do comércio no Estado de São Paulo.

O setor eletroeletrônico e utilidades domésticas aparece em segundo lugar, com 18% de participação, seguido do de farmácia, perfumaria e cosméticos, com 13%.

Este volume de vendas estimado pela CNC deve estar concentrado nesta primeira semana de agosto, de acordo com Fabio Bentes, economista da Confederação Nacional do Comércio.

O avanço da vacinação contra a covid-19 e a redução das restrições para a abertura do comércio são os dois principais motivos da expansão de vendas para este Dia dos Pais.

De abril até o final de julho, a circulação de pessoas aumentou 39%, de acordo com Bentes.

O comércio já está há meses, portanto, em processo de recuperação. De dez setores, seis já estão faturando mais do que no ano passado.

O crescimento de vendas também ocorre no e-commerce. De janeiro a maio deste ano, o volume de vendas on-line subiu 47%, de acordo com Bentes.

ROUPAS E CALÇADOS

 

Depois de enfrentar o pior período de vendas para o Dia dos Pais da história, em 2020, o comércio de vestuário deve registrar melhor desempenho desde 2018.

Bentes lembra que, se a taxa de desemprego, quase perto de 15%, não estivesse tão alta, e a inflação, mais controlada, os números seriam ainda melhores.

“Os volumes de vendas poderiam já estar parecidos com os de antes da recessão de 2015 e 2016”, diz ele.

Em 2013, as vendas para o Dia dos Pais em São Paulo atingiram R$ 2,64 bilhões.

“Deve levar ainda uns dois ou três anos para o comércio paulista atingir este número. E isso se o país não encontrar uma casca de banana pelo meio do caminho.”

INTENÇÃO DE COMPRAS

Levantamento realizado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostrou a intenção dos consumidores de presentear os pais, principalmente, com peças do vestuário.

Pouco mais de 44% dos entrevistados citaram roupas e calçados como presentes preferidos para este ano.

Perfumes vieram em segundo lugar, escolhidos por 27,8% dos ouvidos. Veja abaixo os outros itens citados no levantamento da ACSP:

 

IMAGEM: Fátima Fernandes/DC

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas