Clima econômico na América Latina melhora no 3º trimestre

Problemas com abastecimento de insumos e matérias primas ainda afetam as economias da região, informa a FGV. Especialistas acreditam que a situação deve ser resolvida até 1º semestre de 2022

Estadão Conteúdo
24/Ago/2021
  • btn-whatsapp
Clima econômico na América Latina melhora no 3º trimestre

O Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina avançou de 81,2 pontos no segundo trimestre de 2021 para 99,7 pontos no terceiro trimestre. O resultado é o mais elevado desde o primeiro trimestre de 2018, quando estava em 101,5 pontos, e se aproxima novamente da zona de neutralidade de 100 pontos, apontou o levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Segundo a FGV, além da evolução do clima econômico na região, a Sondagem da América Latina traz neste trimestre três enquetes especiais sobre fatores que vêm influenciando as perspectivas da região. A primeira se refere ao abastecimento de insumos e matérias primas, no qual o Brasil se destaca como o país que mais tem sido afetado pelo problema. A segunda ao tempo de regularização do abastecimento.

Em quase todos os países, diz a FGV, os especialistas acham que a questão será resolvida até o 1º semestre de 2022.

A terceira enquete se refere ao tempo de duração da alta de preços das commodities. "Nesse caso, domina a percepção que só teremos mais um ano de preços elevados." 

O Indicador da Situação Atual (ISA) subiu 30,9 pontos, para 59,1 pontos, patamar ainda extremamente baixo. O Indicador de Expectativas (IE) caiu 5,4 pontos, para 150,6 pontos, permanecendo na zona favorável.

"É possível supor que o pequeno recuo no IE esteja associado com incertezas sobre os efeitos das novas cepas da covid. Ao mesmo tempo a melhora no ISA, embora ainda insuficiente para a região entrar na zona favorável, pode ser explicada pelo cenário internacional mais favorável e o avanço da imunização da população na região, ainda que irregular", justificou a FGV.

BRASIL

O Clima Econômico no Brasil subiu 34,3 pontos na passagem do segundo trimestre para o terceiro trimestre, para o patamar de 116,5 pontos.

O Indicador de Situação Atual avançou 51,6 pontos, para 69,2 pontos, enquanto o Indicador de Expectativas encolheu 5,5 pontos, para 176,9 pontos.

Todos os países investigados registraram melhora no ICE, sendo a maior variação a registrada pelo Brasil. O Paraguai tem o maior patamar de ICE, 125,1 pontos, seguido pelo Brasil, Chile (104,1 pontos), Peru (102,0 pontos) e Colômbia (101,1 pontos), todos na zona favorável do índice. O menor indicador é o da Argentina, aos 60,3 pontos.

Quanto aos quesitos especiais incluídos na sondagem no terceiro trimestre, cerca de 25% dos especialistas consideram que o problema de desabastecimento de insumos e/ou matérias-primas é grave.

O Brasil é o país com maior porcentual nesse quesito (46,2%), seguido da Colômbia (29,4%). "Ressalta-se que quanto maior, mais diversificado e internacionalizado o parque produtivo, maior a probabilidade de o desabastecimento estar presente. Nesse caso, o México deve se beneficiar da proximidade e das relações intrafirmas e intrassetoriais com os Estados Unidos", apontou a FGV.

Quanto ao tempo estimado para que a situação de desabastecimento se regularize, em média, 22,9% dos especialistas esperam que o problema esteja sanado no primeiro semestre de 2022, enquanto 32,9% preveem que esteja solucionado ainda no quarto trimestre de 2021.

A maioria dos especialistas (58,5%) estima mais um ano de preços altos de commodities, enquanto 23% acreditam que o atual ciclo de alta se estenda até o final de 2021. "Não seria então um 'superciclo de altos preços das commodities' como o ocorrido anteriormente. Em relação ao Brasil, 76,9% dos especialistas acham que dura mais um ano e porcentuais acima de 50% também foram registrados na Colômbia e no México", apontou a FGV, lembrando que "o aumento no preço das commodities é um fator importante para a melhora da renda nos países exportadores da região".

 

IMAGEM: Freepik

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas