Brasileiros endividados chegam a 74% em setembro, diz CNC

Nível de comprometimento da renda está 6,8 pontos percentuais acima de igual período de 2020. Apesar do nível recorde, inadimplência caiu

Estadão Conteúdo
04/Out/2021
  • btn-whatsapp
Brasileiros endividados chegam a 74% em setembro, diz CNC

O total de brasileiros endividados ficou em 74% da população em setembro, 1,1 ponto porcentual (p.p.) acima de agosto, conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada nesta segunda-feira (04/10) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Na comparação com setembro de 2020, o nível do endividamento está 6,8 p.p. acima. Com a alta de setembro, o indicador de endividamento renovou o nível recorde, mas houve queda na inadimplência, o que sinaliza um quadro menos negativo. A Peic mede todos os tipos de endividamento, incluindo cartão de crédito, e o crescimento do endividamento não implica, necessariamente, contas em atraso. 

LEIA MAIS:  Redução de margens e alta da inflação acendem sinal amarelo

O percentual de famílias com dívidas ou contas em atraso atingiu 25,5% do total de famílias, 0,1 p.p. abaixo do nível de agosto, e 1 ponto abaixo do apurado em setembro de 2020.

Para a CNC, a diminuição da inadimplência "tende a se consolidar ao longo do ano, mostrando o esforço das famílias em manter seus compromissos financeiros em dia, seja por meio da renegociação, seja por maior controle dos gastos ou evitando o consumo de supérfluos".

Por outro lado, o ciclo de alta dos juros básicos pelo Banco Central (BC) poderá ser um obstáculo, já que "tende a encarecer as dívidas e demais despesas em aberto". "O recente aumento da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), mesmo que temporário, acirra ainda mais esse custo", diz a nota divulgada pela CNC. 

FOTO: Thinkstock

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

Os impactos da IA no mercado de trabalho

Os impactos da IA no mercado de trabalho

Confira como foi a festa dos 100 anos do DC

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine