Economia

Redução de margens e alta da inflação acendem sinal amarelo


Com o desemprego elevado e queda na renda, preocupação é se o consumidor terá fôlego para acompanhar reajustes já na casa dos dois dígitos, avaliam empresários e economistas do Comitê de Conjuntura da ACSP


  Por Karina Lignelli 30 de Setembro de 2021 às 17:00

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


Os preços das commodities e das matérias-primas continuam elevados, pressionando a inflação. Com isso, diante do desemprego e da queda na renda, será que o consumidor vai ter fôlego para acompanhar reajustes, que já alcançam os dois dígitos, sem aumento salarial? 

Esse é o questionamento dos empresários e economistas presentes à reunião on-line de Avaliação de Conjuntura da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), realizada nesta quinta-feira, 30/09. 

A pedido da ACSP, os nomes dos participantes dessa reunião não são divulgados.

A indústria de alimentos apresenta números positivos. Registrou alta de 3,4% em 12 meses até julho, e a produção física cresceu 1,5%. Esses números, apresentados por um representante do setor, são puxados pelas exportações e pela retomada do setor de alimentação fora do lar, que teve uma queda drástica em 2020.

LEIA MAIS: Custos nas alturas e cliente sem dinheiro. Como se preparar para o final de ano?

O que vem acontecendo, porém, é a diminuição de margens em todos os segmentos da cadeia de alimentos. "Meu sentimento é enquanto toda a cadeia, do produtor à indústria e o comércio, abrem mão da margem, o consumidor tem sofrido cada vez mais com os aumentos", resumiu um empresário da indústria láctea presente à reunião.

Além da pandemia e das variações do clima, que impactaram os preços dos alimentos, agora o agronegócio vive um novo desafio de produção: a alta nos custos de insumos agrícolas, como fertilizantes e defensivos. 

Não se sabe se haverá insumos suficientes, nem como estará a taxa de câmbio para formar os preços. Assim, o cenário de inflação elevada e queda na renda fica ainda mais preocupante, destacou um representante do setor. 

"Não sabemos como funcionará o mercado interno, se terá reajuste de salários, a quais níveis os juros do Banco Central vão chegar. Não vivemos essa situação de inflação de dois dígitos há muito tempo."

PRESSÃO DE CUSTOS 

A indústria de transformação assiste a uma queda na margem, recuando 1,4% em julho sobre junho em comparação a igual período de 2019. Já no acumulado de 2021 (janeiro a agosto), o crescimento foi de 0,4% na mesma base, destacou um economista representante do setor presente à reunião de Conjuntura da ACSP. 

Enquanto o comércio e os serviços percebem resultados melhores com o aumento da flexibilização, voltando a uma estrutura de demanda parecida com a da pré-pandemia, o comportamento da indústria é mais peculiar.

O segmento de bens de consumo duráveis, por exemplo, vai mal, e por um problema relacionado à oferta, e não à demanda, como a falta de semicondutores e chips, que só deve se normalizar em 2023, destacou. 

LEIA MAIS:  'Produzir no Brasil custa R$ 1,5 tri a mais do que em países da ODCE'

Por esse motivo, na indústria de automóveis, por exemplo, na comparação entre agosto de 2021 com igual mês de 2019, foi registrada uma queda de 39,2% na produção. Além disso, há muita pressão de custos de matérias-primas como aço, além dos custos de energia e transporte, principalmente pela falta de contêineres.  

"O problema dos contêineres não é nacional, é mundial, e faz parte dos segmentos que desestruturaram a cadeia produtiva ao longo do processo de pandemia", afirmou o economista. 

O setor industrial também deve sofrer o impacto dos reajustes salariais com o INPC de 10%, além da preocupação com o agravamento da crise hídrica. "A indústria não terá normalização imediata. Mas não será tão grave nem tão longa quando a falta de semicondutores, que levou a desajustes que afetaram a produção como um todo."

CRÉDITO PUXA O VAREJO 

Mesmo com a queda no rendimento, a concessão de crédito à pessoa física tem acelerado bastante, levando a uma projeção de alta de 5% no varejo restrito até agosto, disse um economista presente à reunião da ACSP.

Ainda que os juros estejam maiores que no ano passado, esse aumento de tendência também tem sido impulsionado pelo consumo reprimido, apesar de a situação geral não estar favorável, afirmou. 

"Embora a confiança do consumidor tenha se mantido estável em setembro, nota-se que há uma melhora em termos da percepção futura das famílias, e isso somado se manifesta em crescimento um pouco maior do varejo restrito."

Quanto ao crescimento da economia, foi feita uma revisão para baixo, com projeção de que o PIB feche o ano em 4,9%, tirando o efeito da base fraca que foi 2020, saindo de uma 'quase estagnação' para uma pequena queda. 

"A piora é relativa à situação difícil da indústria, da crise hídrica, e da política monetária mais apertada", concluiu.  

ARTE: Will Chaussê






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade