Às urnas!

Ou a questão do crime organizado passa a ser tratada como de Estado pelo próximo governo, ou o Estado de Direito democrático deixará de existir como tal no Brasil

Sérgio Paulo Muniz Costa
31/Ago/2018
  • btn-whatsapp
Às urnas!

Nas eleições de outubro o País enfrentará as questões que constituem o que, no futuro, será chamado de a grande crise brasileira do início do século XXI. E não há qualquer dificuldade para dizer quais são essas questões: déficit fiscal, corrupção e violência.

Antes de mais nada é preciso dizer com todas as letras que elas são ameaças à sociedade e não a um governo eleito. São problemas que atingem indistintamente toda a população, em seu modo de vida e bem-estar. E são males tão intimamente ligados que é difícil distinguir a prioridade e a urgência no combate a eles.

Ou alguém tem dúvida que o descalabro das contas públicas tem origem na corrupção que anda de mãos dadas com a violência? Não é à toa que a palavra para conjurar tamanho mal seja ambiciosa: reforma.

Reforma de quase tudo. É preciso reformar desde a atitude da autoridade pública até a visão do País sobre si mesmo, inspirando um surto de confiança que anime a sociedade a sustentar os ajustes que valorizem seu trabalho, sua produtividade e seu investimento.

Daí ser impossível separar as questões do déficit fiscal, da corrupção e da violência. Ou se as enfrenta como um emaranhado de mal social, ou uma alimentará a outra indefinidamente.

O círculo vicioso do Brasil começa com uma mal intencionada gestão de recursos públicos, que gera corrupção, a qual, por sua vez, institucionaliza a ilegalidade. O resultado é o que está se desenhando em algumas geografias e setores da vida nacional: a decadência e irrelevância do Estado brasileiro.

A grande pergunta da eleição de 2018 é como o Brasil vai sair dessa situação.         

Como ficou evidente da administração Temer, não será com um governo sem autoridade moral, contaminado pela corrupção.

Governo assim não conduz reforma alguma. E tampouco enfrenta a guerra que o crime promove contra a sociedade e o Estado pelo País afora. Tudo o que um  tal governo faz são meias medidas, enquanto a crise anda a medida e meia.

Os riscos que o Brasil corre estão aí escancarados. Não precisam ter as tintas carregadas para despertarem a atenção de quem tem reponsabilidades no País, sejam políticas, institucionais, empresariais ou de formação de opinião.

O bolivarianismo lulista, tolerado pela justiça e incensado pela intelectualidade, continua à solta, trazendo prejuízos à economia, desafiando a lei, pautando as eleições e denegrindo a imagem do País. Como populismo chão que é, ele não aceita qualquer disciplina fiscal e tem por arma predileta a corrupção. Não foi surpresa que em seu reinado a violência no País tenha se multiplicado.

E à vista do que as mais altas cortes do País já fizeram ou deixaram de fazer, não há nenhuma garantia de que ele não volte triunfante, vingativo e voraz para lançar o País no caos, antes, durante e após as eleições.

O presidencialismo de corrupção, por sua vez, tem bons motivos para acreditar que vai continuar à tripa forra. Recursos e cumplicidades não lhe faltam. Pode atender a uma miríade de interesses e hospedar até o petismo, que vai reeditar a eficaz chantagem que o seu prócer praticou contra as lideranças da Nova República até alcançar o poder.

Essa forma de governar, se não mudar seu receituário de intervencionismo, assistencialismo, clientelismo e acomodação, em um quadro em que a  gordura da economia acabou e a paciência da população está se esgotando, engendrará uma convulsão nacional jamais vista, oportunizando os radicalismos de todos os matizes.

E o crime, com sua agenda própria, tem dinheiro de sobra para explorar as ambições e projetos de quem quer que seja, sempre em seu próprio benefício, no fim das contas. Mais do que um grande mercado consumidor, o Brasil pode estar se transformando em um grande distribuidor mundial de drogas, potencializando incomensuravelmente o poder das facções criminosas no País.

Ou a questão do crime organizado passa a ser tratada como de Estado pelo próximo governo, ou o Estado de Direito democrático deixará de existir como tal no Brasil.

Não existem questões mais importantes do que essas para o Brasil. Nenhuma delas é mais ou menos mais grave. Todas devem ser enfrentadas. Só de uma  maneira.

Às urnas, filhos  e filhas do Brasil!

 

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

IMAGEM: Reprodução/A Pátria, de Pedro Bruno, 1918 (Museu da República)

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas