Apesar da volatilidade, bolsa fecha com ganho de 0,59%

Já o dólar recuou 0,22% , interrompendo a sequência de cinco altas e fechando em R$ 3,91

Estadão Conteúdo
11/Dez/2018
  • btn-whatsapp
Apesar da volatilidade, bolsa fecha com ganho de 0,59%

A volatilidade continuou presente nos mercados internacionais e impediu a recuperação mais consistente do Índice Bovespa nesta terça-feira (11/12). O indicador de ações brasileiro chegou a subir 1,87% pela manhã, embalado pela melhora da percepção do investidor em relação à tensão comercial entre Estados Unidos e China.

À tarde, no entanto, perdeu fôlego a reboque das bolsas de Nova York, alternou tendências e terminou o dia com alta moderada, de 0,59%, aos 86.419,57 pontos. Os negócios somaram R$ 12,9 bilhões, novamente abaixo da média de dezembro.

LEIA MAIS:  Recorde da Bolsa é puxado por brasileiros

O Ibovespa havia caído 2,50% na segunda-feira, sob influência dos ânimos externos, com temores de desaceleração da economia chinesa e ao adiamento da votação do Brexit, além da forte queda das commodities. Hoje, a sinalização de entendimento entre Estados Unidos e China, feita por Donald Trump, alimentou o apetite por risco, mas não afastou a instabilidade nos negócios.

Com as bolsas americanas virando para o negativo, a recuperação do Ibovespa foi colocada em risco e o índice chegou a cair 0,39%. Somente na última hora de negociação que o sinal positivo voltou a se evidenciar.

"Se considerássemos somente o cenário doméstico, a tendência é de a bolsa andar 'de lado' até o final do mês, com um viés positivo. Mas o cenário internacional tem adicionado alta volatilidade aos negócios por aqui, onde tudo o que era relevante, como a cessão onerosa, ficou para 2019", disse Eduardo Guimarães, especialista em ações da Levante Ideias de Investimentos.

LEIA MAIS:  Mercado externo pressiona dólar e bolsa

A alta do final do dia foi garantida principalmente pelas ações do setor financeiro e elétrico - este último influenciado pela perspectiva positiva com privatizações, um dia depois do leilão da distribuidora Amazonas Energia, pertencente à Eletrobras.

As ações da Eletrobras terminaram o dia com ganhos expressivos, de 3,91% (ON) e 3,28% (PNB) Entre as ações que fazem parte do Ibovespa, a maior alta ficou com Gol PN, que disparou 13,04% como reflexo do pedido de recuperação judicial da Avianca. Smiles ON subiu 3,55%.

Fora do Ibovespa, Azul PN avançou 6,51%. Entre as baixas do dia, destaque para os papéis da Petrobras, que tiveram perdas moderadas (ambas de 0,64%), mesmo em dia de alta dos preços do petróleo.

DÓLAR RECUA

Após cinco dias consecutivos de alta, o dólar chegou a engatar queda de quase 1% na manhã desta terça-feira, 11, recuando para R$ 3,88, embalado pelo avanço do diálogo comercial entre a China e os Estados Unidos e pela volta do Banco Central ao mercado por meio de leilões de linha (venda da moeda no mercado à vista com compromisso de recompra).

Mas o movimento perdeu força na parte da tarde e a moeda americana acabou reduzindo o ritmo de perda e se aproximando da estabilidade, em meio a notícias negativas no mercado internacional. No final do dia, o dólar à vista terminou em queda de 0,22%, aos R$ 3,9138.

No mercado doméstico, o Banco Central, após ficar uma semana sem fazer novas operações de câmbio, fez dois leilões de linha, em um total de US$ 1 bilhão. O objetivo foi dar liquidez ao mercado, sobretudo por conta da maior pressão de compradores que precisam de dólar para remeter recursos para o exterior, demanda que costuma crescer em finais de ano.

Os investidores estrangeiros seguem cautelosos com o Brasil e, somente na segunda-feira, aumentaram a posição comprada no mercado futuro (dólar e cupom cambial) em US$ 700 milhões, segundo dados da B3. Com isso, o estoque total dessas posições, que apostam na alta da moeda, chegou a US$ 41,7 bilhões, um dos maiores níveis das últimas semanas. 

Para o economista-chefe do Santander, Maurício Molon, o ambiente externo deve seguir mais desafiador em 2019, pressionando o dólar. Ele projeta a moeda americana mais para a casa dos R$ 4,00 no ano que vem. No início do ano, porém, há chance de as cotações se aproximarem de R$ 3,80, por conta do movimento de reposicionamento dos investimentos nos mercados emergentes.

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas