Açougue sem carne: um nicho no próspero mercado vegano

Estabelecimentos como o No Bones, de Marcela Izzo, servem de hambúrguer de feijão a salsicha de tomate e atendem a um mercado que já movimenta mais de US$ 4 bilhões mundo afora

Mariana Missiaggia
17/Abr/2019
  • btn-whatsapp
Açougue sem carne: um nicho no próspero mercado vegano

As preparações veganas, sem qualquer ingrediente de origem animal, vêm conquistando adeptos e se tornando cada vez mais uma realidade de mercado.

Nos últimos dias, a Nestlé, maior empresa alimentícia do mundo, também aderiu à tendência de reduzir o consumo de carne e anunciou o lançamento de um hambúrguer vegano na Europa e nos Estados Unidos.

A novidade veio poucos dias depois do Burger King também lançar a versão vegana de seu hambúrguer. O mercado brasileiro não ficou para trás.

HAMBÚRGUER VEGANO DA IMPOSSIBLE FOODS

Na semana passsada, o empresário Marcos Leta, que criou a marca Do Bem, anunciou o Futuro Burger -um hambúrguer totalmente vegetal que leva proteína de ervilha, proteína isolada de soja e de grão-de-bico e beterraba para imitar a cor e o sangue da carne animal.

PARA ONDE VAMOS?

Uma pesquisa do Google Trends, braço de análises do Google, mostra que as buscas pelo termo “veganismo” cresceram 1.000% nos últimos quatro anos no Brasil.

Nunca se falou tanto a respeito. Levantamento da consultoria americana projeta em US$ 6,4 bilhões o faturamento mundial de produtos que embutem vegetais sucedâneos da carne em 2023 ante atuais US$ 4,3 bilhões. 

Embora há algum tempo um grupo de empresários esteja realizando um verdadeiro trabalho de formiguinha para ampliar as opções sem origem animal, as multinacionais de alimentos começam a dar alguns passos em direção a um mercado com menos produção e consumo de proteína animal.

O americano Pat Brown, professor de bioquímica de Standford, tem papel fundamental nessa mudança. Em 2011, ele lançou a Impossible Foods, startup que revolucionou o mercado vegano ao descobrir que a heme, uma molécula de proteína que contém ferro e está presente em plantas e animais, é o ingrediente que dá à carne o seu aroma, sabor e textura.

Em 2016, a startup lançou um hambúrguer feito de proteínas de trigo e batata, óleo de coco e heme –uma combinação que faz a preparação “sangrar” como se fosse feita de carne de verdade.

Nos últimos anos, Brown captou mais de U$ 475 milhões para a Impossible Foods e lançou outras versões melhoradas da receita. Agora, trabalha em uma parceria com o Burger King para alimentar a crescente população vegetariana também nas redes de fast food da marca.

PAT BROWN PESQUISA PROTEÍNAS SEMELHANTES A DE
ORIGEM ANIMAL/ FOTO: WORLD ECONOMIC/DIVULGAÇÃO

As receitas serão testadas ao longo do ano na região de St. Louis, no estado de Missouri – o coração do churrasco e da carne nos Estados Unidos. No Brasil, os restaurantes do Burger King já oferecem uma opção vegetariana, o Veggie Burger, um empanado feito de batata, cogumelos e queijo.

UMA EMPREITADA BRASILEIRA

Há dois anos, na região de Perdizes, o açougue No Bones vende produtos seguindo a linha do veganismo.

São preparações em formato de linguiças, costelinhas, coxinhas e bifes. De longe, podem até parecer peças comuns, dessas que encontramos refrigeradas em qualquer supermercado, mas é tudo sem carne.

Proprietária do negócio, Marcella Izzo sentiu na pele as dificuldades de um vegano na hora de fazer compras.

“Quase tudo era feito à base de soja, pouco criativo e muito caro”, diz.

Depois de criar receitas mais variadas que agradavam quem provava, ela decidiu tornar seu aprendizado em algo comercial. Inspirou-se em outros negócios que também seguem um estilo de vida sem a exploração animal.

Decidiu-se por um açougue, onde fosse possível comprar congelados de “carne” com formato similar ao de cortes originais, como, picanha. São costelinhas (uma mistura de cogumelos), hambúrgueres (feitos com lentilha e grão-de-bico), espetinhos (de soja), linguiças (à base de feijão), salsichas (de tomate seco) e por aí vai.

Para materializar o projeto, Marcella e seu marido se mudaram do apartamento onde moravam para uma casa em Perdizes, na zona oeste de São Paulo. Dessa forma, economizaram o valor do aluguel e ainda podiam monitorar tudo de perto.

Foram quatro meses para montar a loja na garagem do imóvel, que tem mesas, refrigeradores e prateleiras distribuídas em uma área de 28 metros quadrados. Tudo montado com as economias do próprio casal, cerca de R$ 60 mil.

A ideia de Marcella era trabalhar na loja de terça a sexta-feira, e entre um cliente e outro ainda tocar alguns projetos da sua área de formação, a arquitetura. Aos finais de semana, o negócio permaneceria fechado. 

Mas, a abertura da loja surpreendeu. Em menos de duas horas, foram vendidos todos os dois mil itens preparados para a inauguração e ela e o marido precisaram fechar as portas. Marcella passou as horas seguintes na cozinha, refazendo todo o estoque da loja. Em um mês, todo o aporte feito no negócio foi recuperado.

EDIÇÃO E IMAGENS: Will Chaussê

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas