Abrasel: 42% dos restaurantes ainda faturam menos que no pré-pandemia

Levantamento da Abrasel aponta também que expectativa do setor é pela abertura do novo programa de parcelamento de dívidas de empresas participantes do Simples Nacional

Estadão Conteúdo
06/Jan/2022
  • btn-whatsapp
Abrasel: 42% dos restaurantes ainda faturam menos que no pré-pandemia

Um levantamento da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) aponta que 42% dos estabelecimentos do setor ainda fatura menos do que no pré-pandemia, enquanto 33% afirmam ter superado o desempenho de antes do início das restrições de funcionamento.

Entre os que avaliam estarem empatados com o pré-pandemia são 14%, e os outros 11% pesquisados não existiam em 2019. Os dados são referentes ao segundo semestre de 2021, comparados a igual período de 2019.

Segundo a Abrasel, o setor aguarda a promulgação do novo programa de parcelamento de dívidas de empresas participantes do Simples Nacional, e a maior parte dos empresários do setor ao menos avalia aderir ao Relp (Reescalonamento do Pagamento de Débitos no âmbito do Simples Nacional). 

LEIA MAIS:  Como ficam as dark kitchens no pós-pandemia?

São 60% os que dizem que irão aderir ao programa, e outros 36% afirmam que avaliam aderir dependendo das condições, e apenas 4% não pretendem adotar o refinanciamento. Quase a metade das entrevistadas (47%) já tem parcelas do Simples Nacional em atraso. E, destas, 85% têm medo de serem desenquadrados do regime.

"A expectativa é alta. Queremos começar o ano e reafirmar a retomada com o alívio de saber que não haverá o desenquadramento do Simples por dívida, por isso o refinanciamento é tão importante. A sanção do presidente deve ser a primeira boa notícia do ano ao nosso setor", avalia o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci.

Segundo a associação, a retomada ganhou corpo em dezembro. Mais de um em cada quatro estabelecimentos (27%) disse ter contratado funcionários no último mês do ano. Outros 22% têm a expectativa de seguir contratando no início de 2022. Em relação a demissões, 16% afirmaram ter reduzido o quadro de funcionários em dezembro. 

Já 60% esperam manter a quantidade de funcionários no primeiro semestre de 2022. O índice dos que seguem trabalhando com prejuízo melhorou pouco - de 35% em novembro para 33% em dezembro.

"O nosso setor tem sido o carro-chefe da economia nos últimos meses, ajudando a melhorar os índices de atividade econômica e de emprego, e também contribuindo para segurar a inflação. Mas precisamos de um olhar atento para a questão do endividamento. Mais de 70% têm empréstimos contratados, muitos deles via Pronampe", afirma.

O levantamento indica que, dos que têm empréstimos contratados, 22% estão com pelo menos uma parcela em atraso e, destes, 29% têm parcelas vencidas há mais de 90 dias. 

FOTO: Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas