A combinação que fez do Grab o maior app asiático

Esse superapp avançou além das possibilidades trazidas pelo Uber ao oferecer outras formas de transporte com serviços específicos e estabelecer um contato de proximidade com seus motoristas

Mariana Missiaggia
18/Jun/2021
  • btn-whatsapp
A combinação que fez do Grab o maior app asiático

Uberização, esse neologismo que se tornou fixo no vocabulário dos empresários descreve perfeitamente um movimento que começou com o Uber e avançou rapidamente de forma global. O termo simplifica um conceito mais complexo, o da economia colaborativa, quando recursos ou mão-de-obra subutilizados são empregados de uma nova forma.

Como o Uber se tornou uma das empresas mais bem-sucedidas nesse novo sistema, tornou-se uma inspiração para startups e novos negócios com um modelo similar.

Os exemplos são muitos e a cada dia surgem empresas baseadas nesse sistema e novas adaptações começam a se formar. No mercado asiático, uma única startup é responsável por 72% da movimentação em aplicativos de carona, 50% do delivery de comida e 23% dos pagamentos feitos com wallets (carteira digital).

Trata-se da Grab, conhecida como um superapp e criada por dois amigos malaios, Anthony Tan e Hooi Ling Tan, que se conheceram durante um MBA na Harvard Bussiness School. Ali, a dupla criou um plano de negócios vencedor de um concurso na universidade, que lhes rendeu um cheque de 10 mil dólares - o investimento inicial da startup que nasceu como MyTeksi, em 2012 na Malásia, e mais tarde seria expandida em Cingapura, se tornando em 2016 a Grab. 

O projeto, que basicamente seguia o modelo do Uber, tinha um método peculiar para atrair os primeiros clientes. Anthony visitava postos de gasolina, abria uma mesa dobrável com alguns doces e pagava café da manhã para os taxistas que passavam pelo local. Enquanto comiam, explicava como o negócio funcionava.

Tal postura e aproximação é apontada como uma das grandes vantagens do Grab em relação ao Uber. Ao apresentar-se como um parceiro dos taxistas locais e das frotas em geral, em vez de um concorrente estrangeiro, o aplicativo se mostrou como uma plataforma que poderia ajudá-los a encontrar mais clientes trabalhando tarifas menores e de forma mais eficiente.

Além disso, eles se dispuseram a receber pagamentos em dinheiro quando o Uber não o fez, e trabalharam muito bem a imagem do aplicativo em relação a segurança e a confiabilidade, especialmente, em cidades onde a experiência de entrar em um taxi ainda não era muito popular. 

Outra percepção do Grab foi estabelecer seu próprio modelo de repasse e pagamento aos taxistas, enquanto a Uber seguia o modelo americano de pagar motoristas quinzenalmente. A Grab percebeu que muitos de seus motoristas tinham a necessidade de receber dinheiro diariamente, mesmo quando os clientes pagavam com cartão de crédito. 

Num primeiro momento, ofereciam pagamentos semanais, depois por meio do aplicativo GrabPay, o que possibilitou que eles fossem pagos imediatamente após uma viagem.

Outro detalhe importante, que diferencia a atuação da Grab da Uber, é que em cada mercado que a Grab entrava buscava investidores locais e contratava mão-de-obra local, como assistência tecnológica e administração de pessoal. Essa atitude contrasta fortemente com a dependência da Uber em relação ao modelo de financiamento americano e número de importação de funcionários americanos, que são levados dos Estados Unidos para diferentes regiões de atuação. 

Além disso, os investidores locais têm sido úteis para a Grab de muitas maneiras, como, por exemplo, na obtenção de licenças e opções de pagamentos. Os investidores locais garantiram, por exemplo, que a Grab prosperasse nas Filipinas, enquanto outros nomes tiveram a licença de atuação negada num período próximo.

Em Cingapura, um fundo vinculado ao governo forneceu à Grab um capital significativo, além de firmar uma parceria com o aplicativo para uso dos funcionários do governo. Na sequência, a Grab também mudou sua sede principal da Malásia para Cingapura.

Em pouco tempo, o negócio foi de um pequeno aplicativo de reserva de táxi para a maior empresa de transporte terrestre do Sudeste Asiático. Em 2015, já eram mais de 200 mil motoristas em 28 cidades em seis países (Malásia, Cingapura, Tailândia, Indonésia, Filipinas e Vietnã).

Naquela época, o MyTeksi acumulava mais de 1,5 milhão de corridas por dia e o aplicativo havia sido baixado em 11 milhões de dispositivos móveis em toda a região. Daí em diante, passou a ampliar sua oferta de serviços.

Em 2015, o negócio vivia um crescimento médio mensal de 35% nas corridas, o que motivou a grande virada do aplicativo, que passou a ser chamado de Grab com novos serviços - GrabExpress (para enviar valor e documentos), GrabCar (corridas de longa distância em carros particulares e de alto padrão por valores pré-estabelecidos), GrabBike (corridas rápidas e percursos simples), GrabTaxi (corridas de taxi) e GrabHitch (para viagens compartilhadas).

Essa gama de opções transformou o Grab em um superapp, nomenclatura dada a um aplicativo com recursos, uso e atividade de alta recorrência, além de criar um ecossistema facilitador para que outros negócios possam oferecer seus serviços e realizar suas transações dentro dessa mesma base.

O WeChat, por exemplo, aplicativo chinês de mensagens, funciona como uma multiplataforma por dar infraestrutura de pagamento, por meio do WeChat Pay, para outros aplicativos e empresas. É a ferramenta mais utilizada na China e um fenômeno com mais de 1 bilhão de usuários ativos mensais em todo o mundo.

Com suas jogadas de superapp, o Grab tem avançado muito além das possibilidades trazidas pela Uber de oferecer compartilhamento de caronas. Com outras formas de transporte e serviços específicos em expansão, esse gigante asiático tem inovado ao agrupar serviços que impulsionam maior desempenho financeiro deixando outros aplicativos para trás.

 

FOTO: Freepik

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas