10 dicas para diminuir perdas em supermercados

Setor contabilizou R$ 6,7 bilhões em perdas em 2018 - o que corresponde a 1,89% do seu faturamento bruto, segundo a Abras. Adequar ações preventivas a cada PDV pode ajudar a reverter esse quadro

Karina Lignelli
18/Set/2019
  • btn-whatsapp
10 dicas para diminuir perdas em supermercados

As vendas dos supermercados brasileiros cresceram 2,85% de janeiro a julho deste ano - o que reforça as expectativas do setor de encerrar 2019 com alta de 3%, conforme projetado pela Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS).

Por outro lado, o varejo supermercadista contabilizou perdas de R$ 6,7 bilhões em 2018 - o que corresponde a 1,89% do faturamento bruto do setor, de acordo com a 19ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro de Supermercados, realizada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da ABRAS. 

LEIA MAIS: Novo cadastro único pode reduzir perdas no varejo

Dentre as principais causas de perdas citadas pelas 236 redes participantes, que somam 3.532 lojas no país, estão quebra operacional (40%), furto externo (20%,) erro de inventário (13%) e furto interno (7%). 

O aumento das vendas e do fluxo de pessoas exige que os varejistas redobrem a atenção. “O maior movimento pode significar possíveis furtos e demais perdas que trazem impacto à rentabilidade da loja”, afirma Gilberto Quintanilha Júnior, gerente de prevenção de perdas da Sensormatic Solutions, fornecedora global de tecnologia para o varejo.

Por meio de boas práticas e de soluções tecnológicas, o ideal é adequar as ações preventivas em cada ponto de venda. “Também é importante levar em consideração a experiência de compra do consumidor, que poderá gerar um impacto positivo no faturamento e na margem, além da redução das perdas”, destaca. 

LEIA MAIS: Concorrência entre lojas de vizinhança chega ao centro de São Paulo

João Sanzovo Neto, presidente da ABRAS - que tem um comitê para cuidar desse assunto no setor -, lembra que as perdas e o desperdício estão entre os maiores desafios do varejo supermercadista. "Por isso é muito importante entender que a prevenção não é gasto, e sim, investimento”, alerta. 

A seguir, confira as dez dicas da Sensormatic para ajudar os supermercadistas a evitarem furtos internos e externos e quebras operacionais, não só para alavancar as vendas, mas também para melhorar a rentabilidade das lojas:

1. O NEGÓCIO É MONITORAR

Com um fluxo maior de pessoas, os problemas com violação de produtos tendem a aumentar. “Invista em sistemas de CFTV (circuito fechado de TVs), em ações inibidoras por meio de anúncios no sistema de som da loja e promova ações promocionais de degustação sempre que possível”, sugere Quintanilha. 

2. FIQUE ATENTO AOS PADRÕES

Nunca coloque produtos delicados, como chocolates, em locais que não sejam refrigerados e onde correm o maior risco de dano por manuseio. “O derretimento dos chocolates, por exemplo, acarreta em perda do potencial de venda dos produtos”, alerta.

3. RECOLHER É FUNDAMENTAL

Reforce a atuação do time no recolhimento de itens abandonados pela loja. Além de evitar lacunas nas gôndolas, isso poderá garantir a venda do item e evitar a quebra/perdas por dano.

4. CUIDADO NA ABORDAGEM

Fique atento a movimentações suspeitas - especialmente de clientes com pertences que possam ajudar a ocultar os produtos, como mochilas, sacolas e bolsas. Mas, caso necessite abordar alguém, seja cordial. “Isso mostra ao suspeito que ele está sendo monitorado, podendo converter uma tentativa de furto em uma possível venda”, orienta o gerente da Sensormatic.

5. CHECOU?

É possivel evitar o aumento de quebras e rupturas checando todos os produtos no ato do recebimento. “Caso existam itens com avarias, atente-se para as opções de devolução ao fornecedor, quando prevista em acordo comercial”, diz.

6. EVITE EXCESSOS

Preste atenção aos excessos desnecessários na compra e exposição de produtos. “O mau armazenamento também pode gerar perdas. Além de colocar em risco a qualidade dos produtos, quando não são vendidos eles acabam perdendo valor”, afirma Quintanilha.

7. PROTEÇÃO É TUDO

É aconselhável o uso de etiquetas de proteção em produtos de maior valor, como itens importados, diz o executivo.

8. NÃO DEIXE NADA PARA TRÁS

Devido à variedade e à quantidade de produtos, é preciso ter atenção redobrada ao realizar o inventário, para que, ao registrá-los, nenhum produto seja preterido, avisa. 

9. PISANDO EM OVOS

Ao transportar os itens, mesmo que entre áreas da loja, é necessária muita atenção. “Produto danificado é produto não vendido. Evite impactos na margem”, alerta o gerente.

10. A IMPORTÂNCIA DO HISTÓRICO

Com base no histórico, avalie a quantidade de vendas e perdas do ano anterior para identificar os itens que serão foco de atuação da equipe em determinadas épocas, explica Quintanilha.

“Realizar uma análise sobre as vendas e o número de perdas é importante para tentar reduzir, ao máximo, o uso de promoções, e atuar na melhor exposição e ações comerciais possíveis”, finaliza.

FOTO: Thinkstock

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas