Negócios

Hiper e supermercados lideram fechamento de lojas


Somente no ano passado esse segmento respondeu por quase um terço dos estabelecimentos que cerraram as portas, segundo aponta estudo da Confederação Nacional do Comércio (CNC)


  Por Estadão Conteúdo 13 de Fevereiro de 2017 às 10:30

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Afetados pela disparada da inflação de alimentos e pela queda na renda, a crise no varejo bateu forte nos hipermercados e supermercados. Em 2016 esse segmento respondeu por quase um terço das lojas fechadas, segundo estudo da Confederação Nacional do Comércio (CNC).

Entre abertura e fechamento de lojas, o saldo ficou negativo em 34,7 mil pontos de venda no ano passado. "Por dois anos seguidos (2015 e 2016) os hipermercados e os supermercados lideraram o fechamentos de lojas", diz o economista da CNC, Fabio Bentes. Em dois anos foram 62 mil lojas desativadas.

Ao que tudo indica, o ajuste desse segmento continua. No início deste mês, o Grupo Seta, que tinha 50 lojas de atacarejo nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Amazonas, fechou 28 lojas.

Só na cidade de São Paulo foram encerradas sete lojas e demitidos 1.180 trabalhadores, segundo Josimar Andrade, diretor do Sindicato dos Comerciários de São Paulo.

A empresa confirma o fechamentos de lojas, mas não o de demitidos. Por meio de nota, a companhia explica que o grupo, que começou as atividades em 2008, teve uma expansão rápida, mas dependente do crédito. Com as restrições nos empréstimos bancários por causa da crise, a empresa teve de reduzir a operação para se reorganizar.

O ajuste da operação atingiu neste começo também o Walmart, uma das maiores empresas do segmento do varejo de alimentos do País. A varejista fechou cinco supermercados, a maioria no Sul. A empresa informa, por meio de nota, que "revisa constantemente seu portfólio de lojas, podendo fechar unidades que não apresentem desempenho satisfatório".

TAMANHO

Apesar de a crise ter reduzido drasticamente o número de lojas do varejo como um todo, foram as pequenas empresas que sentiram mais o baque e fizeram o maior enxugamento, muitas delas para sobreviver. De acordo com o estudo da CNC, das 108,7 mil lojas fechadas no ano passado, 39,6 mil foram no pequeno varejo.

O Grupo Nayara Cruz, especializado em vestido de festa e moda feminina para senhoras, tinha, por exemplo, nove imóveis alugados no bairro paulistano do Bom Retiro e empregava 70 pessoas. Hoje são seis imóveis locados para loja, confecção e estoque e 50 funcionários.

"Esta loja era geminada com a do lado. Entreguei a do lado e reduzi esta aqui. Isso diminuiu bastante o custo e também o número de funcionários", explica a dona da empresa Meire Araujo Cruz.

O ajuste aconteceu nos dois últimos anos, quando as vendas começaram a cair. Em 2015, a queda foi de 10% a 15% e no ano passado, entre 20% e 30%. Há 18 anos no mercado, a empresária diz que 2016 foi o pior ano da empresa. "Nunca tinha visto loja fechada na rua José Paulino", observa.

O ajuste foi necessário, diz Meire, para manter a empresa funcionando, mesmo sem ter lucro. Segundo a empresária, o lado positivo desse ajuste foi que se começou a dar valor ao corte de pequenas despesas para reduzir custos. "Tudo olhamos hoje de forma diferente, pois temos que sobreviver."