Negócios

Balança comercial obtém superávit de US$ 62 bi até novembro


É um recorde histórico para esse período do ano, de acordo com levantamento do Indicador do Comércio Exterior - Icomex, da FGV


  Por Estadão Conteúdo 15 de Dezembro de 2017 às 09:25

  | Agência de notícias do Grupo Estado


 

A balança comercial registrou superávit de US$ 62 bilhões de janeiro a novembro, recorde histórico para esse período do ano, segundo os dados do Indicador do Comércio Exterior - Icomex, divulgado nesta sexta-feira (15/12), pela Fundação Getulio Vargas (FGV). As exportações totalizaram US$ 200 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 138 bilhões. 

O índice tem como objetivo contribuir para a avaliação do nível de atividade econômica do País, por meio da análise mais aprofundada dos resultados das importações e exportações.

"O desafio de manter o crescimento dos fluxos de comércio em 2018 está mantido. Os dados do Icomex para o acumulado do ano até 2017 sugerem que esse crescimento irá continuar, mas 2018 deverá observar um superávit comercial menor", apontou a FGV, em nota oficial.

LEIA MAIS: Quer exportar e não sabe como? Junte-se a um time de experts

No acumulado no ano até novembro, o volume exportado cresceu 13,3% em relação a igual período do ano anterior, ao passo que o volume importado aumentou 13,5%.

O volume exportado cresceu 11,2% e os preços recuaram 2,6% na comparação entre novembro de 2016 e novembro de 2017.

A queda nos preços foi puxada pelo comportamento das commodities, que recuaram 2,2% entre novembro do ano passado e novembro deste ano. A principal contribuição foi a do complexo de soja, com queda de 11% nos preços.

LEIA MAIS: Prêmio às pequenas e médias empresas que avançam na conquista do mercado lá fora

O volume importado teve aumento de 20,2% em novembro, ante o mesmo mês de 2016, o que confirma, na visão da FGV, a recuperação no nível de atividade.

"Em suma, o cenário para a balança comercial continuará positivo em 2018, apenas esperamos um menor superávit comercial, o que não é fonte de preocupação", concluiu a FGV.