Finanças

Estoque de títulos do Tesouro Direto cresce 11,8% em 2018


Papéis remunerados pela inflação alcançaram 57,5% do total no fim do ano, os atrelados à taxa Selic 27% e aos títulos prefixados, 15,5%


  Por Estadão Conteúdo 25 de Janeiro de 2019 às 15:05

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O estoque de títulos públicos do programa Tesouro Direto cresceu 11,84% em 2018, atingindo R$ 54,2 bilhões em dezembro do ano passado.
 
De acordo com balanço divulgado nesta sexta-feira (25/1), pelo Tesouro Nacional, as vendas superaram os resgates em R$ 790,4 milhões em dezembro de 2018, o maior saldo positivo mensal desde setembro.

Os investidores compraram principalmente o título Tesouro Selic em dezembro, remunerado com base na taxa básica de juros, que representou 49,8% das vendas.
 
Em seguida vieram os papéis remunerados pela inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), que corresponderam a 30,3% do total, e o de prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais), com 19,9%.

A maior parte dos investimentos em dezembro (54,7%) foi em títulos com vencimento de um a cinco anos. Os papéis com prazo entre cinco e dez anos responderam a 19,5% do total e os acima de 10 anos, 25,8%.

Em relação ao estoque, os papéis remunerados pela inflação alcançaram 57,5% do total no fim do ano, os atrelados à taxa Selic 27% e os títulos prefixados, 15,5%.
 
Em dezembro, 38,9% do estoque era composto por títulos com prazo de um a cinco anos, 19,8% acima de dez anos e 18% até um ano. 

No mês passado, o total de investidores ativos chegou a 786.318, sendo 34.224 novos em dezembro. O total de cadastrados cresceu 69,9% nos últimos 12 meses, atingindo 3,113 milhões.