Finanças

Cotado a US$ 9,4 mil, bitcoin atinge novo recorde


No acumulado de 12 meses, a moeda virtual bitcoin aponta valorização de quase 1.200%. Mas especialistas veem o fenômeno com cautela


  Por Estadão Conteúdo 27 de Novembro de 2017 às 11:00

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Mais um recorde foi quebrado pelo bitcoin neste domingo (26/11), após a moeda virtual ultrapassar a marca de US$ 9 mil, chegando à cotação máxima de US$ 9.396,30, de acordo com a CoinDesk, uma das maiores consultorias do setor de criptomoedas.

No acumulado de 12 meses, o bitcoin aponta valorização de quase 1.200%, com alta de 16,85% somente nos últimos sete dias.

O valor de mercado total do bitcoin chegou a US$ 151 bilhões, segundo a CoinDesk. Com isso, a criptomoeda supera o valor de companhias tradicionais como McDonald?s, Disney e General Electric.

"O preço do bitcoin vem superando, até o momento, o ceticismo dos investidores. Os detentores de bitcoin estão relutantes em vender porque esperam que o preço continue aumentando, e a mesma mentalidade é adotada pelos potenciais compradores", comentou o economista da BMO Capital Markets, Sal Guatieri, em nota a clientes. Para ele, a menos que a psicologia do mercado mude de forma abrupta, "o bitcoin deve continuar a escalada vista nos últimos dias".

LEIA MAIS: Será que o bitcoin tem espaço no varejo real?

O economista aponta, ainda, que o atual clima visto nos mercados financeiros é um fator que apoia a expansão das criptomoedas em geral. Nos mercados acionários americanos, os três principais índices -Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq - têm renovado diversos recordes, apoiados, em grande parte, nos ganhos de papéis de gigantes de tecnologia.

As ações da Netflix, por exemplo, tiveram valorização de 73% em um ano, enquanto os papéis da Apple subiram 58%.

Na última semana, o CME Group, uma das maiores bolsas de opções do mundo, detalhou os planos para o início das vendas de contratos futuros de bitcoin, previsto para 11 de dezembro, caso não haja contratempos regulatórios.

Cada contrato será composto por 5 BTC e utilizará os índices de preço de bitcoin já existentes no CME Group. Para Guatieri, da BMO Capital Markets, esse pode ser um teste importante para a criptomoeda.

Também na semana passada, a gestora francesa de ativos Tobam anunciou a criação do primeiro fundo de investimentos atrelado a bitcoin.

Em comunicado à imprensa, a gestora disse que, apesar do bitcoin ser propenso a riscos significativos, incluindo um nível de volatilidade muito alto, ele também é "um ativo altamente diverso". A Tobam disse acreditar que o bitcoin e outras criptomoedas têm potencial para se tornar "duráveis nos mercados financeiros".

LEIA MAIS: É seguro investir em moedas virtuais?

A criptomoeda, no entanto, é vista com ceticismo por alguns executivos. Questionado sobre se o JP Morgan tinha corretores que negociam bitcoins, o diretor executivo do banco, James Dimon, afirmou que "se tivéssemos um trader que negociou bitcoins, eu o demitiria. Isso é contra as nossas regras e é estúpido". Para ele, a moeda virtual é "uma fraude" e irá ruir eventualmente.

Na última sexta-feira (24/11), o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse que a instituição irá coibir ilícitos e bolhas no mercado de moedas virtuais, apesar de ter ponderado que as tecnologias empregadas nas transações das criptomoedas poderão ser utilizadas para outras finalidades.

Há duas semanas, o BC publicou um comunicado alertando para os riscos de operações com criptomoedas.