Economia

Desemprego cresce e atinge 13,1 milhões de brasileiros


A taxa de desocupação voltou a aumentar no trimestre encerrado em fevereiro, atingindo taxa de 12,6%, aponta IBGE. Indicador é melhor do que em igual período de 2017, mas ainda não representa recuperação


  Por Agência Brasil 29 de Março de 2018 às 10:10

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O país passa a ter 13,1 milhões de desempregados, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C), divulgada nesta quinta-feira 29 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, em números absolutos, o resultado representa mais 550 mil pessoas em busca de emprego, entre um trimestre e outro.

Na avaliação do coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, no entanto, o movimento de aumento na taxa de desemprego já era esperado e é comum nesta época do ano.

“Nesta época do ano, o crescimento da taxa é um movimento esperado. Sempre no primeiro trimestre do ano a taxa tende a subir, pois existe a dispensa dos trabalhadores temporários contratados para as festas de final de ano", justificou.

LEIA MAIS: Emprego de jovens está em risco, diz estudo

Ainda em consequência deste movimento de dispensa de trabalhadores temporários, a pesquisa mostrou que, entre o trimestre encerrado em novembro e o que terminou em fevereiro, o país perdeu cerca de 858 mil postos de trabalho, com redução de 407 mil empregos no setor privado sem carteira e de 358 mil no setor público.

O número de empregados com com carteira de trabalho assinada ficou estável neste trimestre encerrado em fevereiro, em 33,1 milhões de trabalhadores, porém “foi o pior resultado em números absolutos da série histórica iniciada em 2012”, segundo Azeredo. As categorias empregador e trabalhadores por conta própria também ficaram estáveis.

A queda no número de postos de trabalho foi verificada principalmente no grupamento  serviços, que reúne as atividades de administração púbica, defesa, seguridade, educação, saúde e serviços sociais, que chegou a perder 435 mil postos de trabalho; na construção, foram menos 277 mil empregos; e na indústria, menos 244 mil.

LEIA MAIS: Estímulos à economia esbarram no desemprego elevado

A taxa de desemprego de 12,6% neste trimestre significa “uma melhora do mercado de trabalho, quando a comparação se dá com o mesmo trimestre do ano anterior, quando a taxa chegou a 13,2% e alcançava 13,5 milhões de pessoas desocupadas, o pior resultado para esse trimestre na série histórica”.

MELHORA, MAS AINDA LONGE DA RECUPERAÇÃO 

Apesar da melhora de alguns indicadores do mercado de trabalho, ainda é difícil determinar que esteja em recuperação, avaliou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa de desemprego passou de 12,0% no trimestre encerrado em novembro de 2017 para 12,6% no trimestre até fevereiro de 2018. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo IBGE.

LEIA MAIS: Fevereiro bate recorde na criação de empregos

O resultado, porém, ainda é melhor em relação a um ano antes, no trimestre encerrado em fevereiro de 2017, quando a taxa de desocupação estava em 13,2%.

"O mercado de trabalho não deve ser analisado somente pela taxa de desemprego. É um erro, tem que ser analisado o conjunto. Tem que ver a qualidade do emprego. Que população ocupada é essa?", questiona Azeredo.

"Tivemos um aumento na fila de desocupação de meio milhão de pessoas (no trimestre encerrado em fevereiro de 2018 ante o trimestre encerrado em novembro de 2017). Dizer que tem um quadro favorável é complicado, porque o nível de desocupação ainda é muito elevado, e a base de comparação é muito ruim, qualquer crescimento vira um salto", ponderou. 

LEIA MAIS: Geração de emprego é puxada pelos pequenos negócios

Azeredo lembrou que, no trimestre encerrado em fevereiro deste ano, o total de trabalhadores com carteira assinada no setor privado alcançou o menor patamar da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012: 33,126 milhões de pessoas.

O montante significa que o País tem 3,5 milhões de vagas formais a menos do que o pico de 36,672 milhões de vagas com carteira assinada registrado no trimestre encerrado em agosto de 2014.

"Não posso usar o termo recuperação (para o mercado de trabalho). Tem aumento de ocupação, mas muito voltada para a informalidade. Tem desaceleração no aumento da desocupação e na redução da carteira assinada", afirmou. "Mas não dá para falar em recuperação quando tem um nível de carteira (assinada) chegando ao patamar mais baixo. A crise foi tão agressiva que até emprego de baixa qualidade afetou", frisou Azeredo.

LEIA MAIS: Mercado deve gerar 600 mil vagas em 2018

Azeredo calcula que, atualmente, quase 40% da força de trabalho no Brasil estão na informalidade, incluindo trabalhadores por conta própria, sem carteira assinada no setor privado, trabalhador familiar auxiliar e pequenos empregadores.

"Esse número era entre 33% e 34% antes da crise, em 2014", lembrou.

Dois setores importantes para a economia dispensaram trabalhadores no trimestre encerrado em fevereiro ante o trimestre terminado em novembro do ano passado. A indústria eliminou 244 mil vagas, enquanto a construção demitiu 277 mil empregados.

No caso da construção, Azeredo explica que as dispensas ocorreram em canteiros de grandes obras de edificações. Na indústria, os cortes foram disseminados entre as atividades industriais, embora os setores de alimentos e de vestuário ainda estejam puxando as contratações na comparação com um ano antes - ou seja, o trimestre encerrado em fevereiro de 2017. 

*Atualizada às 15h21